POEMA

PROVÍNCIA


IX


(Parece que se confirma o assassínio pela Pide do dirigente comunista Alfredo Diniz (Alex) na estrada de Bucelas.)


Ouve, covarde,
que trazes nos ossos
o sonho de morrer numa barricada
bêbado de Chama.

Hás-de morrer aqui
no suor desta cama,
a olhar para a doçura longa duma tarde...

(... ah! mas com que trovoada
dentro de ti!)


José Gomes Ferreira

8 comentários:

Mário disse...

e é mesmo importante, fundamental, lembrar-nos que morremos.

smvasconcelos disse...

E é um grande castigo, a trovoada dentro da consciência dos covardes. Quando a têm...
beijo,

Graciete Rietsch disse...

Será que os que matam quem luta pela justiça têm consciência?
Honra aos que lutam independentemente da morte.
Sigamos o seu exemplo.

Um beijo.

samuel disse...

Alguns deixaram-se alienar de tal forma, que décadas depois dos crimes, continuam a orgulhar-se deles.

Abraço.

GR disse...

Um grito de dor por uma perda tão grande e injusta.
Porém, 65 anos após o covarde assassinato, o jovem camarada Alfredo Diniz (Alex) continua, Sempre presente!

Bjs,

GR

Maria disse...

Não deixa de ser uma morte merecida, assim...

Um beijo grande.

Membro do Povo disse...

Um poema de vingança!

O Puma disse...

José Gomes Ferreira

a poesia de sempre