O SILÊNCIO É DE OURO

Ainda em relação ao «caso Freeport» - que, como sabemos, está praticamente arrumado... - surgiram agora (Correio da Manhã de hoje) alguns dados curiosos ligados às contas bancárias de alguns dos «intervenientes no processo».
Trata-se de coisa insignificante (que certamente será bem resolvida um dia destes) e que se resume a uma diferençazinha detectada entre os rendimentos declarados desses «intervenientes» e os depósitos que os mesmos «intervenientes» fizeram nas suas contas bancárias.
Temos assim que, por exemplo:

Charles Smith (dono da Smith & Pedro)
Declarou de rendimentos 179 980 euros - depositou no banco 1 837 097 euros.

Manuel Pedro (dono da Smith & Pedro)
Declarou 307 246 euros - depositou 1 600 086 euros.

Júlio Monteiro (tio de José Sócrates)
Declarou 62 162 euros - depositou 1 339 190 euros.

José Manuel Marques (ex-responsável do Instituto de Conservação da Natureza)
Declarou 240 885 euros - depositou 635 710 euros.

Carlos Guerra (ex-responsável do Instituto de Conservação da Natureza)
Declarou 298 212 euros - depositou 726 145 euros.

José Dias Inocêncio (ex-assessor da Câmara Municipal de Alcochete)
Declarou 236 786 euros - depositou 595 372 euros.


Como se vê, as diferenças entre o declarado e o depositado são consideráveis - e susceptíveis de suscitar múltiplas conjecturas.
Mas atenção: nada de conclusões precipitadas: também nesta matéria não vai haver problema. Isto porque, ao que parece, todos os «intervenientes no processo» se recusam a esclarecer a proveniência dessas diferenças.
E, a acreditar na notícia (e eu acredito), fazem-no legalmente (digamos assim).
Como? É simples: invocando uma coisa chamada «direito ao silêncio» - coisa essa que, como se está mesmo a ver, permite aos «intervenientes» nada dizer sobre o assunto.

Assim se prova que o silêncio é de ouro...

8 comentários:

Maria disse...

Um dia destes vão dizer que o tinham em casa, debaixo do colchão, à boa maneira antiga. Ou que seguiram um arco íris e lá ao fundo encontraram o pote...
Tudo silencioso, a bem da nação, desculpa, de sócrates...

Um beijo grande.

Anónimo disse...

só falta a conta do sócrates.. e da mãe.

abraço

smvasconcelos disse...

E andam por aí a pavonear-se impunemente e sem vergonha!
"Direito ao silêncio" em caso flagrante de crime fiscal (no mínimo...)? Então e as Finanças não actuam em conformidade face à não declaração total dos rendimentos?!
De ouro seria a justiça actuar devidamente e punir estes... usurpadores do erário público e alheio!
Um beijo,

joão l.henrique disse...

Nestes casos o silêncio foi de euros às sacadas.

Um abraço.

Graciete Rietsch disse...

Outra vez sem palavras, agora para classificar esses factos.
Inacreditável.

Um beijo.

samuel disse...

Grande última linha! :-)))
O silêncio é de (muito) ouro!

Abraço.

Antuã disse...

assim se vê como neste país se pode roubar à vontadinha.

Fernando Samuel disse...

Maria: para esta coisas a bem da Nação não há como o silêncio...
Um beijo grande.

Anónimo: e... e... e...
Abraço.

smvasconcelos: vais ver que a justiça não dorme...
Um beijo.

joão l.henrique: de euros...
Um abraço.

Graciete Rietsch: talvez porque são... inclassificáveis...
Um beijo.

samuel: nuito, muito...
Um abraço.

Antuã: é fartar vilanagem!...
Um abraço.