«LIBERDADE DE INFORMAÇÃO»

A repressão fascista nas Honduras prossegue todos os dias - com perseguições, prisões, ameaças, assassinatos - no meio de um espesso manto de silêncio por parte dos média dominantes à escala mundial.
Com a noção clara de que não tem condições para romper esse manto de silêncio, o Cravo de Abril não desistirá, apesar disso, de, modestamente, prosseguir na denúncia dos crimes cometidos pelos fascistas das Honduras, apoiados incondicionalmente pelo governo de Obama.

A mais recente vítima mortal (conhecida) das forças repressivas foi Teresa de Jesús Flores Elvir, de 52 anos, dirigente da União dos Trabalhadores do Campo, cujo corpo foi encontrado, sem vida e apresentando evidentes sinais de tortura, próximo da cidade de Siguatepeque, no Centro do País.

A repressão, incidindo essencialmente sobre membros da Frente Popular de Resistência, faz-se sentir igualmente de forma brutal sobre os trabalhadores em luta por melhores condições de trabalho e de vida: pelo menos cinco jovens foram abatidos a tiro no decorrer de manifestações populares e mais de três mil pessoas foram detidas e interrogadas.
Não obstante a brutal repressão, os trabalhadores hondurenhos preparam uma greve geral - por melhores salários e contra a nova Lei do Trabalho Temporário.

Tudo isto - insisto - é silenciado pela comunicação social dominante, para a qual as Honduras só existem em «notícias» sobre pretensos «êxitos» do governo fascista - que apelidam de «democrata»... porque, dizem, «foi eleito democraticamente»...
Nem mesmo a violenta repressão sobre os trabalhadores dos órgãos de comunicação social hondurenhos consegue despertar nos seus colegas, por esse mundo fora - os portugueses incluídos, é claro - o mínimo sinal de solidariedade.
E no entanto eles têm sido, desde o golpe militar - e continuam a ser, mais de um ano depois do golpe - um dos alvos preferenciais dos fascistas.
Recorde-se que, só este ano, foram assassinados nas Honduras nove jornalistas.

Mas nada disso é «notícia»...
Aos média dominantes nacionais e internacionais, que - nunca é demais lembrar - são propriedade do grande capital, não lhes chega o espaço e o tempo para proclamar o seu indefectível apego à sacrossanta «liberdade de informação»...

10 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Liberdade de informação para o que lhes interessa e dá lucro.
Todos os resistentes mas, neste caso particular, os resistentes hondurenhos que foram vergonhosamente espoliados do seu presidente eleito e que estão a sofrer actos de cruel repressão, desde a tortura ao assassinato, merecem que esses crimes sejam amplamente denunciados como tu tens vindo a fazer, já que a nossa
"imprensa livre" os silencia e até enaltece o crime.

É muito triste que as pessoas não se apercebam do que vai acontecendo no mundo sob o olhar cúmplice de Obama.

Um beijo.

Antuã disse...

É preciso denunciar com os meios que temos.

samuel disse...

Há sempre qualquer coisa a passar-se em Cuba... na Venezuela... qualquer coisa muito mais "importante"...

Abraço.

Maria disse...

É esta a verdade a que temos direito. Denunciar isto por todas as vias possíveis. Incluindo mails.

Um beijo grande.

Pintassilgo disse...

Espalharemos isto por toda a parte...

Anjos disse...

Não calar a nossa voz é o mínimo que podemos fazer.
Lá, tal como em muitos outros sítios (incluindo Port.), disfarçados de democratas, chegam ao poder pelos votos e depois é o que todos sabemos.
Isto traz-me à memória uma frase que vi escrita numa parede em Lx logo a seguir ao 25 de Ab: “Os burgueses só são democratas enquanto não poderem ser fascistas”. Confima-se!

Justine disse...

Como queres tu que oe media tenham tempo para falar dessas "insignificâncias", se gastam metade do seu tempo de antena a darem-nos notícias importantes sobre o assassinato da mulher do Tomé Feteita??? Francamente!

João disse...

Tem toda a razão o Fernando Samuel (e os comentadores): os principais órgãos de comunicação social das nossas "democracias" estão nas mãos de quem manda e dos governos, e tudo silenciam quanto não lhes agrade. Assim como mentem, deturpam, e inventam quando isso corresponde ao serviço dos interesses de quem os detém.

O blog Cravo de Abril, como outros - perdoem-me a publicidade, mas por exemplo o Calcorreando Ideias! - pode não ter um alcance desmedido na reposição e divulgação da verdade escondida ou adulterada pelos OCS dominantes.

Mas têm, seguramente, um papel muitíssimo importante a desenvolver: trabalhar com determinação, empenho e sem desmorecimento no alargamento do conhecimento real, objectivo, verdadeiro daquilo que se vai passando pelo mundo. Gota a gota se faz o oceano, e nós, que assumimos o património de luta contra a opressão e o obscurantismo, na defesa e construção quotidiana de um mundo melhor para todos os seres humanos sem qualquer tipo de distinção, na luta pela sociedade do futuro que há-de ser socialista e popular,sabemos o que significa lutar com armas desiguais, mas também sabemos que se não lutarmos, mesmo em condições difíceis, jamais venceremos.

Não podemos, por isso, desistir de utilizar todos os instrumentos que estiverem ao nosso alcance para fazer ouvir a nossa voz cada vez mais alto e junto de cada vez mais pessoas - estes espaços são alguns desses instrumentos -, como não desistimos, jamais, da nossa luta noutros terrenos.

E apesar de tudo temos ao nosso alcance diversas fontes de informação independentes dos grandes interesses capitalistas vigentes, que podem alimentar a nossa intervenção. Deixo-vos aqui quatro pistas que sigo com regularidade, onde encontramos informação sobre o que se passa nas Honduras, mas também, entre outros, no Chile e no Paraguai, países onde a contra-revolução está, também ela muito activa, e de que raramente aqui em Portugal ouvimos falar.

Os sites onde podemos "beber" informação alternativa são:

www.rebelion.org (castelhano);
www.axisoflogic.com (inglês);
www.kaosenlared.net (castelhano);
www.insurgente.org (castelhano).

Há outros sites muito interessantes, ficam aqui para já estes.

Cumprimentos e Saudações Revolucionárias!

Nelson Ricardo disse...

A questão fica, se os OCS censuram tão abertamente situações tão trágicas como as existentes nas Honduras, na Colômbia ou na Palestina (só para mencionar alguns) qual o fundamento para acreditarmos no que nos dizem sobre a Venezuela, Cuba ou Coreia do Norte, entre outros países não alinhados com o Imperialismo?

Um Abraço.

Fernando Samuel disse...

Graciete Rietsch: é precisamente esse o papel dos média dominantes: dar sobre o que se passa no mundo a imagem que mais interessa aos seus proprietários.
Um beijo.

Antuã: com as armas que temos na mão...
Um abraço.

samuel: a «importância» nesses casos é muito maior - e vem sempre carregada de mentira.
Um abraço.

Maria: água mole em pedra dura...
Um beijo grande.

Pintassilgo: até onde pudermos...
Um abraço.

Anjos: chegam ao poder através de eleições nas quais têm previamente assegurada a vitória...
Um abraço.

Justine: é bem verdade o que dizes, eles bem se esforçam para nos fazerem chegar essas notícias imprescindíveis...
Um beijo.

João: totalmente de acordo com o teu comentário - e há que persistir sempre na denúncia da propaganda dos média do grande capital.
(obrigado pelos sites que sugeres)
Um abraço.

Nelson Ricardo: a verdade é que não há nenhum fundamento para acreditarmos neles seja qual for a matéria que tratam.
Um abraço.