POEMA

(XXII)


Bati com o pé no deserto
e não nasceu uma fonte...

Toquei numa rocha
e não se cobriu de açucenas...

Beijei uma árvore
e o enforcado não ressuscitou...

Amaldiçoei a paisagem
e não secaram as raízes...

Digam-me lá: para que diabo serve ser poeta?
(Os santos são mais felizes.)


José Gomes Ferreira

5 comentários:

Maria disse...

A lucidez e a angústia do Zé Gomes neste belo poema...
Obrigada!

Um beijo grande

samuel disse...

Mas os poetas fazem coisas bem mais importantes... e reais.

Abraço

CRN disse...

Fernando,
A busca constante da realidade.

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

Os santos tiveram vidas chatas e assim devem continuar para toda a eternidade, tirando o Santo condestavél que andou à espadeirada.
Os poetas dão sentido á vida.

beijos

Fernando Samuel disse...

Maria: Boa definição.
um beijo grande.

samuel: os poetas são «santos» de casa que fazem milagres...
Um abraço.

CRN: e ela, a realidade, está mesmo aqui ao pé de cada um de nós.
Um abraço.

Ana Camarra: viva a poesia!
Um beijo.