UM FACÍNORA CHAMADO BARACK OBAMA

Como estamos lembrados, a intervenção da NATO na Líbia - ordenada pelo governo de Obama e apoiada pelos seus lacaios europeus - tinha como preocupação primeira a «humanitária» tarefa de «proteger civis»...

Após dois meses de «protecção a civis», constata-se que as principais cidades líbias foram exaustivamente bombardeadas.
Para além de um número não quantificado de «civis protegidos» - isto é, mortos ou feridos - os prédios e as infra-estruturas de água, esgotos, luz e gás estão seriamente danificadas.

Estes bombardeamentos «humanitários» são complementados com um bloqueio marítimo e aéreo com o qual é impedida a entrada no país de medicamentos e de alimentos - sempre tendo presente, obviamente, a preocupação de «proteger civis» que Obama e o seu bando não se cansam de apregoar...

Por efeito de todas estas «acções humanitárias», a imensa maioria da população da Líbia - mais de 60% - vive, hoje, uma situação de extrema gravidade decorrente da falta de água, de alimentos, de medicamentos...
Presume-se, é claro, que esta maioria da população líbia não é «civil» - porque esses, os «civis», estão bem «protegidos» pelos bombardeamentos e pelo bloqueio decretados pelo Nobel da Paz...


As multidões que, em condições dramáticas, procuram abandonar o país - e, assim, livrar-se das bombas, das carências, da morte provocadas pela «protecção de civis» - são outra consequência da «acção humanitária» em curso na Líbia...
Também neste caso é óbvio que não se trata de «civis» - se o fossem estariam «protegidos» por Obama & Cia...

Como sempre acontece em situações semelhantes, as crianças são as principais vítimas. Mas não há problema: para os cruzados «protectores de civis líbios», as crianças também não são «civis», logo não podem beneficiar da «humanitária protecção»...
Que sofram, portanto, que passem todas as privações, que fiquem sepultadas nos escombros das suas casas destruídas pelos bombardeamentos, que morram à fome e à sede: Obama e os seus sicários, se tiverem tempo e se lembrarem, talvez rezem por elas uma breve, brevíssima oração...

Entretanto, a Alemanha abriu uma «missão em Bengazi» - chefiada por um «diplomata experimentado» e a União Europeia anunciou ir «abrir um gabinete na capital dos rebeldes» - capital que já recebeu a visita do senador norte-americano John McCain e do ministro dos negócios estrangeiros da Polónia.
Por seu lado, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, recebeu o «líder dos rebeldes líbios e convidou-o a abrir uma missão em Londres».
É claro que em Bengazi a «protecção de civis» é um êxito... dir-se-ia, até, que todos os «civis» líbios vivem na «capital dos rebeldes»...


Estamos, assim, perante uma tragédia humanitária provocada por um bando de criminosos - o maior e mais responsável dos quais é o presidente dos EUA.
Estamos, assim, perante um crime hediondo que urge denunciar - e exigir o fim da criminosa agressão à Líbia e ao seu povo; e exigir o julgamento e a condenação dos responsáveis por essa tragédia - mesmo sabendo que tal acto de justiça não é, na situação actual, exequível.
E gritar, até que a voz nos doa - e mesmo para além disso - que o principal responsável por todos estes crimes é um facínora chamado Barack Obama.

9 comentários:

maria povo disse...

Não diria melhor!!
e tudo isto se passa à nossa porta!!! e a celeridade do TPI em anunciar mandado de captura contra Kadafi?!?! e parece que é normal este ataque a um país soberano com assento na ONU?!?!?

Porque tem petróleo que é controlado pelo povo libio?!?!? isto é um precedente perigosissimo!!!!

proponho a circulação de uma petição online contra esta agressão!!!

e o texto bem que poderá ser o último parágrafo dete post!!!

ainda bem que existem!!!

Anónimo disse...

É preciso também lembrar que muitos destes chamados "bombardeamentos humanitários" estão a ser feitos com urânio empobrecido, tal como no Iraque (em Fallujah e outras zonas).

Agora que mataram essa personagem de ficção, chamada de Bin Laden (inventada por eles; que diziam ser canhoto e que no último filme realizado pelos americanos surge como destro), os rebeldes líbios já não são conotados com a «Al-Qaeda». Agora, segundo fontes do Pentágono, são lutadores pela liberdade e pela paz.

(Jorge)

samuel disse...

É um ser execrável!

Abraço.

Graciete Rietsch disse...

Não encontro melhor definição de Obama que a utilizada por Samuel.
É UM SER EXECRÁVEL.
Descuipa, Samuel, apropriar-me das tuas palavras.

Um beijo.

joão l.henrique disse...

Obama, o chefe do bando: quero, posso e mando.


Um abraço.

Chalana disse...

Lembras-te quando a nossa "esquerda caviar" cantava hosanas ao Obama?

Ainda temos em arquivo!
http://anti-trollurbano.blogspot.com/2008/11/be-abre-champagne-perante-vitria.html

José Rodrigues disse...

Não percebo para que serve a ONU.O Conselho de Segurança está lá a ver passar os drones?E os "emergentes" andavam "cheios de papo" e afinal é só fumaça...como diria o outro?!

Abraço

Anónimo disse...

Chalana; que esquerda?

Direita, direitinha que nem uma seta.

Khe Sanh

Antuã disse...

Assim se prova que se merece o prémio nobel da paz. Estão todos no mesmo carro!