«FIZ HOJE O QUE DEVIA SER FEITO»

«Os resultados eleitorais obtidos pela minha candidatura - claramente acima dos 7% - traduzem a afirmação e confirmação de uma força e de um projecto indispensáveis para abrir caminho ao futuro de Portugal»

«As centenas de milhar de votos nesta candidatura, significam centenas de milhar de vozes que hoje se levantaram a dizer "basta!", a exigir mudança, uma nova política, um futuro melhor.
Cada um disse o que tinha a dizer com o voto nesta candidatura e podem hoje olhar para si próprios com a consciência tranquila, dizendo: «fiz hoje o que devia ser feito»,
Estas centenas de milhar de vozes dirigem-se a todos os portugueses para alargar esta corrente de acção para mudar Portugal para melhor.
Contem com a nossa convicção, a nossa determinação, o nosso projecto, a nossa confiança nos trabalhadores, no povo e no País.
Temos encontro marcado já amanhã e todos os dias que se seguem na luta que continua e se vai intensificar para vencer o declínio e as injustiças sociais, para construir um Portugal com futuro, uma sociedade mais justa.
Avançamos e avançaremos com toda a confiança.
Continuaremos e intensificaremos a luta com os que em nós votaram e com os muitos que se nos virão a juntar para que viva Portugal!»

(da Declaração de Francisco Lopes, esta noite, na Soeiro Pereira Gomes, sobre os resultados eleitorais)

26 comentários:

Aristides disse...

A confiança e certeza em dias diferentes está nos nossos corações e nas nossa mãos.
Grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Hoje encontramos mais um estímulo para a luta que vai continuar até à vitória e mesmo depois de alcançado o nosso principal objectivo que é o da ruptura com a política que nos afunda.
Vamos continuar a luta com toda a confiança.

VIVA o PCP, VIVA FRANCISCO LOPES, VIVA JERÓNIMO DE SOUSA, VIVAM TODOS OS MILITANTES E APOIANTES DO PARTIDO QUE COM A SUA CORAGEM CONTINUAM A LUTA POR UM MUNDO
NOVO.

Estou triste mas continuo cheia de confiança.

Um beijo.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Tal como já fiz questão de mencionar no meu blog, também eu me sinto cheio de força para continuar a lutar por aquilo que o Povo Português merece.

Mas bolas ! deixem-me ser sincero e desabafar :
- Queria mais. Queria mais para o nosso camarada Francisco Lopes, e queria menos, muito menos para todos os demais e em especial para o Salazarento Cavaco.
Que raios pá ! as pessoas não se cansam de sofer ?

Bolota disse...

Edurado

E o mais era no minimo os 2 digitos.

samuel disse...

Cá estaremos! E seremos mais!

Abraço.

Anónimo disse...

Uau. 7%.

Até o Nobre conseguiu mais.

Mais uma vez, a arte de transformar derrotas em vitórias a vir ao de cima.

GR disse...

Chegamos agora da “nossa casa”. O colectivo estava cansado, todos nos levantamos às 6h e terminamos a tarefa por volta das 20 e picos horas.
Muitos sentiram o desabafo do Eduardo Miguel, como nortenhos que somos, reagimos. Por fim, reconhecemos que amanhã a Luta Continua com mais força, mais confiança, mais vontade. Distribuímos tarefas, tantas! uma voz gritou; Francisco avança com toda a confiança!
Orgulhamo-nos do trabalho feito pelo colectivo e pelo nosso candidato F L. Somos um grande colectivo.

Bjs,

GR

Anónimo disse...

Está provado que a populaça gosta é de ladrões e de palhaços.

Zé Canhão

Maria disse...

Foi feito o que tinha de ser feito.
A Luta continua já a seguir...

Um beijo grande, ouvindo notícias e vendo as capas dos jornais.
(Chiça!!!)

Anónimo disse...

A arte de transformar um resultado insignificante num acto cheio de significado. É preciso ter topete!

Graciete Rietsch disse...

Só uma palavrinha para quem não sente a nossa tristeza, não o nosso desânimo, porque a luta vai continuar.
Que seria de Portugal se não existisse um PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS, com a sua força e a sua dimensão?

ACORDEM!!!!!!

Um beijo.

Anónimo disse...

A luta continua. Não se muda de sistema económico dum dia para o outro. Só os que vêem muito curto mandam para aqui provocações.

Antuã

Carlos Henrique disse...

É a "populaça" que gosta de "ladrões e de palhaços" ou é a população que não vê na politica do partido qualquer alternativa à direita e ao capitalismo?

Se a maioria dos militantes e a grande massa dos votantes tivessem consciência politica e económica, para compreenderem o que representa para si as propostas formuladas no dito PROGRAMA" "Por um Portugal a produzir! então nem metade dos votos conseguiam.

Mesmo assim façam as contas e verifiquem a percentagem real.

- 53,7% de abstenção, com mais 4,5 de brancos, já não contando com 1,9 nulos, a intenção real de votos nos candidatos foi de 41,8%, se multiplicarmos os 7,1% de F.Lopes por este último número,o resultado é de 2,97%.Ou seja cada vez temos menos influência politica na sociedade portuguesa e particularmente no seio da classe operária, a baixa votação em Setúbal é um exemplo bem concreto.


Um abraço

Carlos Henrique
Seixal

Anónimo disse...

A "populaça" tem sentido crítico e é boa observadora, por isso o resultado do PCP ajusta-se perfeitamente à farsa que o revisionismo moderno representa no contexto actual da luta de classes em Portugal. A democracia burguesa foi desprezada e J. de Sousa deu os parabéns ao candidato "eleito".

Bolota disse...

ACORDEM!!!!!!


Graciete,

Mas caramba, os 2 dígitos estavam ao nosso alcance e a nossa posição sairia reforçada.

Onde está o partido das grandes e bem elaboradas estratégias, que na clandestinidade combateu por dentro uma das mais terríveis ditadura ???
Se não se consegue no meio da crise de todas as crises, fazer valer a nossa voz ,quando é que o vamos conseguir???

Como o Eduardo, também eu estou enfadado, desiludido e não sei se quero continuar a remar contra a maré.


Abraços

Anónimo disse...

Remar contra a maré remámos sempre, no tempo da clandestinidade e depois do 25 de Abril. Basta olhar para os nosso resultados eleitorais em 1975, para a Assembleia Constituinte. E foi em pleno auge da Revolução.
Para além de fazermos uma análise objectiva do nosso trabalho, para vermos o que fizemos e fazemos menos bem e corrigir os erros para acertar mais, não podemos deixar de observar o que é bem feito. E esta campanha foi bem feita.
A situação é difícil e a nossa luta é muito dura.
Como dizia o Brecht: " um revolucionário não pode estar cansado".
Claro que eu, às vezes, também tenho momentos de cansaço. Mas, é preciso fazer das fraquezas, força.

Campaniça

Anónimo disse...

Pois, pois. Há para aqui uns tipos que querem fazer desanimar as tropas, mas isso já dura há 90 anos.


pintassilgo

Anónimo disse...

O problema é que o revisionismo moderno nunca remou contra a maré mas a favor dela. Não é por acaso que quando a maré começa a vazar que o PCP começa a esvaziar. Se vcs fossem capazes de pensar dialecticamente como fazia de forma magistral Lenine, percebiam. Como não sabem o que isso é, ficam pobrezinhos nos lugares comuns que setenciam.

CRN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Hoje é o dia de masturbação de certos anónimos. Tão revolucionários que eles são que até marram no vermelho!...

Xavier

CRN disse...

Cá por Espanha, à falta de resultados de outras assembleias, fomos a segunda força na Andaluzia e, na Galiza, ganhámos em Ourense e, cavaco teria ido à segunda volta pelo desempenho da candidatura de Francisco Lopes.Em Barcelona, ainda que necessitando uma segunda volta, Cavaco nunca seria eleito.

Afinal não é dificil entender a despreocupação dos últimos governos no relativo à crescente emigração.

Atrás dos tempos vêm tempos e outros tempos hão de vir...

Anónimo disse...

A masturbação é uma acto solitário da satisfação do instinto sexual,próprio daqueles que frustrados e obcecados não conseguem realizar a sua vida sexual em relação com o outro que a completa na forma natural. São esses que marram com a vida frustrante e dramática do pesadelo da insignificância e mediocridade.
O revisionismo baseado na ignorância e na deturpação vil da História da revolução traz-nos esta festa humana carregada de opróbrio e fingimento. É a tragédia do nosso tempo.

filipe disse...

Esta tragédia é o resultado das teses oportunistas que deram origem ao desmembramento do campo socialista e que ainda se mantêm em vigor no Partido.

Mas não desesperem, tomem antes atenção à opinião expressa no comentário do Carlos Henrique, o caminho é por aí. Caso contrário na medida em que a crise do capitalismo se aprofunde e não dar-mos a resposta necessária e adequada, vamos desaparecer do mapa, a não ser que emerga algum grupo de revolucionários!? dentro do partido e altere radicalmente o actual estado de coisas. Como aconteceu no KKE.

Um abraço

Filipe

O Puma disse...

Cá estaremos

a vida não é uma urna

Justine disse...

Excelente discurso!!

Eduardo Miguel Pereira disse...

A todos quantos sentiram e se pronunciaram relativamente ao meu comentário, deixo uma palavra de camaradagem, de fraternidade e de agradecimento.
O meu desabafo não deve ser confundido com desânimo, ok ?
Foi um desabafo de quem quer mais e melhor para a única força política que defende o Povo trabalhador, o nosso querido PCP.

Hoje já foi outro dia, e a nossa luta continua, camaradas.