MEMÓRIAS DE SETEMBRO

Ainda a propósito de datas «esquecidas» pelos média dominantes - e ainda a propósito de Setembro.

Lembremos o Campo de Concentração do Tarrafal - «espelho do regime fascista».
Lembremos as palavras do director, Manuel dos Reis:
- «Quem vem para o Tarrafal vem para morrer» -

e do médico, Esmeraldo Pais Prata:
- «Eu não estou aqui para curar doentes, mas para passar certidões de óbito».

Lembremos Setembro, no Tarrafal, quando o director e o médico passam das palavras aos actos:

1937:
20 de Setembro: Francisco José Pereira e Pedro de Matos Filipe.
22 de Setembro: Francisco Domingos Quintas, Rafael Tobias e Augusto da Costa.
24 de Setembro: Cândido Alves Barja.
(Os primeiros camaradas assassinados no Campo da Morte Lenta)

1941:
24 de Setembro: Casimiro Ferreira.

E também no Tarrafal houve um 11 de Setembro: foi nesse dia, em 1942, que Bento Gonçalves, secretário-geral do PCP, foi assassinado.

Datas e nomes que - apesar do silenciamento a que são votados pelos média dominantes - ficarão na memória de todos os que, hoje e no futuro, prosseguirão a luta pelos objectivos pelos quais os mártires do Tarrafal deram as suas vidas: a construção do socialismo e do comunismo.

E para que fascismo nunca mais!

12 comentários:

Anjos disse...

A todos eles presto Homenagem e reconhecidamente agradeço o que (ainda) de bom temos: a livre expressão do pensamento.
Enquanto o sangue circular nas veias e artérias, é nossa obrigação, por eles e pelos nossos filhos, lutar pelos mais nobres ideais, ATÉ À VITÓRIA!

O "sacrifício" deles não pode ter sido em vão!...
E não será!

Um abraço

Maria disse...

Os Setembros das nossas memórias e da nossa História!
E sabermos que em todos os Setembros e resto do ano a Luta continua!

Um beijo grande.

Antuã disse...

Não podemos deixar esquecer estes crimes que os vermes teimam em calar.

duarte disse...

Procuro o livro "testemunhos" de Franco de Sousa. Foi através desse,que descobri a ignominia de um regime autoritário com largos rasgos de fascimo. Descobri a figura incontornável de Bento Gonçalves, e outros resistentes, descobri o preço de não ser rachado.
E não me lembrava desta data.
Bem Hajas.
abraço do vale( um qq coisa mais velho)

do Zambujal disse...

Lembremos!

Um grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Obrigada por lembrares mais estes gloriosos mortos de Setembro.
Não podemos esquecer nem perdoar.

Um beijo.

Justine disse...

Setembro de muitas memórias, que é preciso manter vivas!

Mário disse...

e devemos a convicção de cada passo à determinação a estes lutadores.

Abraço

samuel disse...

As páginas da nossa História contam outras estórias... têm outros heróis... por isso somos diferentes.

Abraço.

smvasconcelos disse...

Tristes memórias, estas...
Triste setembro.
:(
beijo,

Nelson Ricardo disse...

São memórias trágicas, mas memórias necessárias, para que não se esqueçam os horrores do fascismo, nem se esqueçam os que fizeram o derradeiro sacrifício para que todos nós pudéssemos viver em democracia.

Um Abraço.

Fernando Samuel disse...

Anjos: não, não será em vão.
Um abraço.

Maria: e continuar a luta é a melhor homenagem a estes mártires.
Um beijo grande.

Antuã: é preciso não desistirmos de informar.
Um abraço.

duarte: «Tarrafal - Testemunhos» (trabalho colectivo de sobreviventes do Tarrafal, coordenado por Franco de Sousa), editado pela Caminho, é um livre de indispensãvel leitura.
Um abraço aí para o Vale.

do Zambujal: um forte abraço, irmão.

Graciete Rietsch: lutar sempre é não esquecer ne perdoar...
Um beijo.

Justine:... e presentes no nosso dia-a-dia.
Um beijo.

Mário: devemos-lhes muito - e «pagar-lhes-emos» prosseguindo a sua luta.
Um abraço.

samuel: as lutas que fazem a diferença...
Um abraço.

smvasconcelos: mas que, ao mesmo tempo, nos dão força.
Um beijo.

Nelson Ricardo: e para que ninguém possa dizer: «eu não sabia»...
Um abraço.