A FONTE DE FORÇA ESSENCIAL

A candidatura comunista às presidenciais perturbou visivelmente o rebanho de comentadores de serviço nos média dominantes à direita e à «esquerda» (digamos assim...)
Percebe-se: eles não queriam que o candidato do PCP fosse um comunista - ou, como é uso dizerem no seu centenário linguajar, um «ortodoxo» - e, mal a notícia foi dada, correram ao baú de velharias, sacaram do habitual argumentário e dispararam.
Todos: à direita e à «esquerda» (digamos assim...)

(Daniel Oliveira, comentador com lugar cativo no Expresso, resumiu lapidarmente o pensamento (digamos assim...) dos restantes colegas, ao sublinhar que o candidato do PCP é «um obscuro dirigente (...) sem qualquer carisma e de uma ortodoxia perturbante» - isto no meio daquele luzido foguetório estrelejando velhas provocações, com o qual as pessoas desta condição exibem as suas qualidades e valências a quem utiliza os seus serviços e lhos paga).

Mas adiante: através das prosas dos comentadores à direita e à «esquerda» (digamos assim...), ficámos a saber, numa primeira fase, que o candidato do PCP - «ortodoxo», obviamente... - só era conhecido «na Soeiro Pereira Gomes» (o que, feitas as contas, daria, no dia das eleições, umas escassas dezenas de votos...).
Posteriormente, fomos informados que, afinal, o obviamente «ortodoxo» era conhecido «em todo o partido» (nada mal: podemos começar a contar a votação por dezenas de milhares...).

E, como a seguir se verá, as perspectivas são de crescimento da votação: a agência Lusa informa-nos que «Francisco Lopes é fenómeno de popularidade na terra natal» - Vinhó, concelho de Arganil - onde um jornalista da Lusa se deslocou para saber como era, e nos diz que «todas as pessoas contactadas pela reportagem se desfizeram em elogios ao filho da terra que entrou na corrida a Belém».

Registe-se, então, esta curiosidade:
todos os que conhecem o candidato comunista - «na Soeiro Pereira Gomes», «em todo o Partido», na «terra natal» - gostam dele... (coisa que não sei se acontecerá com qualquer dos candidatos presidenciais já anunciados, mais o que ainda não se anunciou...)

Posto isto, afigura-se-me que a grande tarefa que se coloca aos comunistas nesta campanha eleitoral é fazer com que mais e mais portugueses conheçam o seu candidato - já que conhecendo-o (e comparando-o com os restantes candidatos...), não hesitarão na escolha...

É claro que, neste caso, conhecer significa, fundamentalmente, saber o que cada candidatura e cada candidato representam.
No que diz respeito à candidatura de Francisco Lopes, tudo é claro como água: trata-se de uma candidatura patriótica e de esquerda; assumidamente integrada na luta contra a política de direita seja ela praticada por que partido, ou partidos, for; portadora de um projecto de ruptura e de mudança - enfim, vinculada aos valores de Abril.
No que diz respeito às restantes candidaturas... bom, nenhuma delas pode dizer o mesmo, nem nada que se pareça...

E é nesta singularidade da candidatura do PCP que está a sua fonte de força essencial.

16 comentários:

samuel disse...

A "táctica do desconhecido", ou "obscuro", arrisca-se a sair muito furada...
Como em tudo, basta que se vá conhecendo e esclarecendo.

Abraço.

Membro do Povo disse...

Penso que já disse que essa gente exala medo. Falamos de alguém que veio do Povo, alguém a quem os trabalhadores - comunistas ou não - podem reconhecer como um irmão de armas, como alguém que sofreu na pele os mesmos anseios que os seus, e que está mais atento pode reconhecer "o" candidato que não aprovou o PEC nem o OE. Pois é, "o" candidato diferente.

filipe disse...

Tudo está já bastante claro, como a água, de facto. Comentários, reacções, piedosas propostas "alternativas", tudo vai confirmando a justeza da nossa escolha.
E, como bem diz o Samuel, com o trabalho de esclarecimento, do candidato e dos seus camaradas, tudo ficará ainda muito mais claro, garantindo o sucesso da verdadeira candidatura da Esquerda - sem aspas!
Um abraço.

Nelson Ricardo disse...

Quando nós os perturbamos, só pode ser bom sinal. Francisco Lopes será um candidato do povo e dos trabalhadores. E é isso que os assusta.

Um Abraço.

Anjos disse...

Os quatro primeiros comentários já dizem tudo!
“…é de uma ortodoxia perturbante”? Ainda bem!!! E nota-se o efeito: só me ocorre a imagem de um ninho de cobras (ou melhor, víboras) nos momentos que antecedem um sismo.
Têm medo que este “sismo” provoque um tsunami que os faça desaparecer de vez…
OXALÁ!!!

Sincero abraço

joaquim adelino disse...

Qualquer que ele seja, qualquer nome que seja avançado assusta sempre quem vive em instabelidade com a sua consciência e usa todos os truques e falsidades para ir manipulando as conciências dos mais incautos e também de alguns "distraídos".
Jerónimo foi e é um valoroso guerreiro que se bateu, e bate, com os Doutores que apenas olham para os seus umbigos e também (como também não podia deixar de ser) para os dos seus protegidos, nesta nova frente de batalha o camarada Agostinho Lopes vai estar à altura da tradição da luta que tem e é necessário continuar a travar honrando a história e a luta de sempre dos comunistas portugueses. E é disto que os nossos adversários mais temem, a nossa independência e a nossa força.
Abraço amigo Samuel

Anónimo disse...

Então o Francisco Lopes era um desconhecido e todos os reaccionários, de esquerda ou de direita, já o conhecem como ortodoxo?!....

Graciete Rietsch disse...

O que verdadeiramente interessa é que o candidato será o único que estará verdadeiramente com Abril, sem falsas palavras para iludir ainda mais os adormecidos, coerente, patriota, convicto , em quem votarei com toda a confiança.
Por Abril!!!!!!!!
Pelo Socialismo!!!!!!
AVANTE!!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

O certo é que, digamos assim ou digamos assado, daria um grande presidente!...

Rui Silva

Antuã disse...

O melhor é avançar e deixar os cães a ladrar.

joão l.henrique disse...

Quando a direita não gosta das nossas propostas é sinal que estamos no caminho certo.

Um abraço.

José Rodrigues disse...

Ó Joaquim Adelino não troque o nome ao rapaz.Ele é Francisco Lopes.Vai ser o 2º Francisco de quem vou colar cartazes.O outro foi o Zenha, que não sendo de esquerda,seria um democrata sem aspas!

Avante com Francisco Lopes!

poesianopopular disse...

O Francisco Lopes, é a pedrada no Charco, no marasmo,no conluio, é a voz do nosso Partido a chegar mais alto.
A grande votação que ele irá conseguir, servirá para que os direitos dos trabalhadores passem a ser mais respeitados.
Ávante Francisco Lopes!
Abraço

Sopro leve disse...

Infelizmente existe muitos “dizentes” que falam de tudo e contra tudo o que pode abanar a sua consciência… Têm medo de terem que reflectir sobre algo que vá gerar conflitos com a sua dita consciência, actual, e depois como é?
São estes “dizentes” que se vissem apresentada a candidatura do Rato Mickey (banda desenhada), iriam bater palmas e encherem páginas e páginas de elogios a essa candidatura.
Mas o que iria acontecer, o Rato Mickey até podia ganhar as eleições, pois todos o conhecem; Os jornais todos os dias iriam falar dele, as televisões fariam grandes reportagens e diriam este sim é um bom candidato, é um candidato de grande valor (deveriam estar a referir-se ao pormenor do desenho).
No entanto o que iria mudar depois das eleições?
Nada… continuaria a miséria intelectual e física que se encontra instalada neste sistema.
E durante o período eleitoral o que aconteceria?
Nada… falava-se no traço do desenho, nas orelhas, na cor…
Mas da realidade nada se falaria,
Não se discutiria os problemas que existem na nossa sociedade, na miséria, na fome, na falta de emprego, nos despedimentos ilegais (mesmo havendo um código de trabalho que lesa os direitos dos trabalhadores, que foi aprovado pelos apoiantes destes Ratos Mickey`s e que foi promulgado pelo actual e talvez candidato à Presidência da Republica);
Não se falava nas condições do sistema de saúde, da educação;
Não se falaria nos milhões gastos, pelo Estado, a financiar o sistema privado enquanto o sistema público é deixado a cair de “podre”…
Pois é… Mas não podemos, nem vamos fazer a vontade ao Rato Mickey e aos seus apoiantes, pois por muito que goste de banda desenhada, a minha consciência não deixa que eu adormeça, em vez de contribuir para o esclarecimento e denuncia de um sistema que está a obrigar a maioria a simplesmente sobreviver, em vez de viverem como têm direito;
Já para não falar dos que nem a sobreviverem tem direito… e morrem com fome e por falta de assistência médica, enquanto outros vêm a sua conta bancária a aumentar astronomicamente, e enviam milhões para offshore`s (paraísos fiscais).
Quanto ao meu candidato, Francisco Lopes, os ditos “dizentes” não se preocupem porque ele é candidato de consciência com os princípios da verdadeira esquerda.
Eles que não tenham medo porque ele não possui nenhuma doença contagiosa, pois que eu saiba o alertar, informar, e denunciar as atrocidades que se mantêm para que este sistema mantenha-se, não é doença;
E o ganhar consciência para a realidade, por parte das pessoas menos atentas, também não é doença…
Quanto à consciência pesada destes “dizentes” e dos seus donos, é que já tenho duvidas se é considerado doença… e de que foro…
Quanto a mim e a muitos mais… iremos ajudar o Francisco Lopes a fazer chegar a sua mensagem ao maior número possível de pessoas.
Essa mensagem será da realidade e da explicação do que motiva-nos a ser verdadeiramente de esquerda.

Maria disse...

O Francisco Lopes é um excelente candidato, para além de ser o candidato necessário!

Um beijo grande.

Fernando Samuel disse...

samuel: o desconhecido só o é... até ser conhecido...
Um abraço.

Membro do Povo: de facto, diferente de todos os outros.
Um abraço.

filipe: exactamente: sem aspas.
Um abraço.

Nelson Ricardo: estamos no bom caminho.
Um abraço.

Anjos: oxalá!...
Um abraço amigo.

Joaquim Adelino: o camarada Francisco Lopes é um garnde candidato.
Um abraço.

Anónimo: pois é...
Um abraço.

Graciete Rietsch: é, de facto, o candidato de Abril.
Um beijo.

Rui Silva: sem dúvida.
Um abraço.

Antuã: vamos para a luta.
Um abraço.

joão l.henrique: grande verdade.
Um abraço.

José Rodrigues: avante!
Um abraço.

poesianopopular: avante!
Um abraço.

sopro leve: bem observado!
Um abraço.

Maria: de acordo.
Um beijo grande.