A VERDADE...

A história é conhecida.
Mesmo assim, vale a pena voltar a ela, tanto mais que foi relembrada na recente entrevista de Jerónimo de Sousa ao Jornal de Negócios.
Uma criança, filha de um deputado do PS, tem uma admiração particular pelo secretário-geral do PCP - de tal modo que sempre que o vê na televisão, grita: «Jerónimo, Jerónimo, PCP!».
O pai da criança levou-a um dia ao Parlamento para que ela conhecesse pessoalmente «o Jerónimo».
A criança sentou-se ao colo dele, fez perguntas, respondeu a perguntas, brincou, brincaram - assim confirmando, na prática, as razões pelas quais gostava «do Jerónimo».
Depois, o pai levou-a a conhecer Francisco Louçã, frente ao qual a criança emudeceu: nem uma palavra, nem um sorriso...
«Então, por que é que não gostas do Louçã?» - perguntou-lhe o pai.
E ela: «Porque ele é muito alto»...

Ora, Jerónimo e Louçã são sensivelmente da mesma altura... pelo que outras serão as razões da empatia por um e da antipatia por outro manifestadas pela criança...
Ela lá sabe... e é bem possível que aquela tenha sido a forma que encontrou de dizer das suas razões...
E, como é sabido, «a verdade sai espontaneamente da boca das crianças»...

13 comentários:

samuel disse...

"Alto" enquanto distante, pouco genuíno, não familiar... :-)))

Abraço.

Ludo Rex disse...

Nem mais...
Abraço

GR disse...

Na verdade o camarada Jerónimo tem um sorriso espontâneo e sincero, ele é assim mesmo, honesto.
As crianças nunca se deixam enganar!

Bjs,

GR

Maria disse...

A criança lá sabe porquê... o outro será um pouco mais alto, ou menos atingível, ou sei lá...
Colocam-se em cima de pedestais (ainda que de barro) e depois queixam-se...

Um beijo grande

Anónimo disse...

Que disparate tão grande!!!
As coisas que se dizem para se chegar a deteminadas comparações estapafúrdias! Até a timidez das crianças é usada. Tenham juizinho senhores "crescidos"!!!

Antuã disse...

As crianças lá sabem porqueê e também sabem porque não são tímidas com o Jerónimo.

Sal disse...

Por acaso o Jerónimo já apareceu na televisão com o neto e outras crianças. Nota-se que é um indivíduo afável, sereno, sorridente. Um verdadeiro "avô".
O Louçã... bem... nunca ninguém lhe viu a família, pois não? Ele lá terá as suas razões... A mulher deve ser feia! :)))

Anónimo disse...

Mais um post pueril LoL este blog se não fosse feito "a sério" era uma caricatura fantástica :D

F. disse...

Sal:

A mulher do Francisco Louçã é... um pouco horrorosa! O que, na sua vocação fradesca, até deve cair bem ;-)

Alguns dirão que isto é uma opinião sexista/machista... Seja! Em minha defesa cito o poeta/compositor Vinícius de Moraes: "as feias que me perdoem, mas a beleza é fundamental".


Quanto à "altura" do Louçã... Já se sabe que quanto mais alto se sobe, maior é a queda. Queda - aqui está um grande romance do Albert Camus.

Quanto às avaliações subjectivas das crianças - e isso é o mais importante! - estudos conduzidos nos USA durante os anos 80, concluiram que, intuitivamente, tanto crianças como certo tipo de pacientes com patologias psíquicas, conseguiam admiravelmente destrinçar a mentira da verdade - note-se que os estudos foram conduzidos sobre o visionamento de discursos de Ronald Regan. E parece, então, que tanto crianças como loucos, eram capazes de saber quando mentia e quando dizia a verdade o mister presidente...

A propósito: alguém tem um Foucault por aí..?

CS disse...

Os anónimos são sempre tipos/tipas mal dispostos/as. Viver no anonimato é chato.

Quanto à estória deu-me boa disposição e fez-me rir a bom rir.

Anónimo disse...

O anónimo tem toda a razão.
Tenham algum minimo de saber estar.
usar palavras de crianças para dizer que o jeronimo é melhor que louçã, ou seija, fins politicos!?
vao gozar com aqueles que acreditam no pai natal.

J.Z.Mattos

Anónimo disse...

A propósito: que tal é a mulher do jerónimo?...

Fernando Samuel disse...

samuel: isso tudo...
Um abraço.

Ludo Rex:... nem ontem...
Um abraço.

GR: pois não.
m beijo.

Maria: a criança lá sabe porquê: dizes bem.
Um beijo grande.

Anónimo: Pois.

Antuã: não como as crianças...
Um abraço.

sal: cada um de nós tem a sua família e o que interessa é o que cada um de nós é...
Um beijo.

Anónimo: Pois.

F.: confesso que não o tenho aqui a mão...
Um abraço.

cs: vá a gente saber se são assim por serem anónimos ou se são anónimos por serem assim...
Um abraço.

J.Z.Mattos: Pois.