AVANTE !



O Manel tem três dentes hiantes na memória da fome que carrega: e quarenta anos de militante do nosso Partido, no orgulho vertical que carrega todos os dias. hoje, como muitas vezes, almocei na sua companhia. na sede do meu Partido, as pataniscas com arroz de tomate, foram pretexto para a mais bela conversa de que me lembro. o Manel tem 84 anos e uma vida feita de misérias, e nelas de alegria. mineiro, e comunista, muitas vezes sofreu na pele a repressão do fascismo que lhe roubava o pão e a saúde num trabalho penoso que nem as bestas... o Manel é meu amigo. tem a quarta classe feita em adulto e o gosto singelo das palavras que aprendeu pela paixão que nutre pelo saber, que a dureza da vida lhe quis proibir mas que nunca permitiu. aprendeu com os Avantes! as palavras que lhe faltavam para dizer dos seus dias. e hoje, quem entrar no centro de trabalho do Partido, encontra-o ao fundo, escrevendo em cadernos mensagens bonitas às pessoas de quem gosta. o Manel tem o coração a transbordar de vermelho. gosta da Liberdade e da Camaradagem. todo ele é feito das lutas que travou e da amizade que tem a todos os camaradas, mesmo que os não conheça. o Manel, oitenta e quatro anos vencidos ao fascismo e ao capitalismo, como muitos da sua idade, tem uma reforma de vergonha, muitos anos após árduo trabalho. talvez por isso, me encha de prazer pagar-lhe uma refeição e um café. os olhos pequeninos de que já pouco se serve (é cego de um olho e de outro apenas vê 60 por cento, na organização que a medicina sempre necessita para informar o Estado da deficiência) brilham sempre que da minha boca se solta uma palavra que considere bonita e, na sua extrema humildade, se considere indigno. o Manel, desde a morte do meu tio, com 90 anos, é o amigo mais velho que tenho. hoje descobri que nunca foi à festa do Avante! não que se tivesse queixado ou soltado lamento. Mas soube-o. e enfrentei-o com a dura pergunta: Manel, nunca foste ao Avante? os olhos do meu amigo entristeceram... neles vi o reflexo da magra reforma e a perna manca que o impossibilita de caminhadas maiores que alguns metros, antes de ter de parar para a descansar. nunca fui, disse-me. mas tenho pena. vou morrer antes de conhecer a mais bonita festa do mundo. Justificou dizendo que sabe muito de bailaricos, e que não falha um em Aljustrel.
chorei. embora disfarçando, correram lágrimas dos meus olhos. mas disse-lhe: este ano vais comigo! olhou-me como nunca ninguém até então. camarada, disse-me, não posso ir contigo. estou velho e as pernas obrigam-me ao descanso.
vais sentado no carro ate la. paramos para um café a meio caminho. comprar-te-ei uma cadeirinha e lá, sempre que precisares, de cinquenta em cinquenta metros, no domingo, pararemos para conhecer camaradas do país todo, para que possas descansar. os seus olhos humedeceram... marcámos encontro para domingo de manhã, mesmo que muitas vezes almocemos juntos até então. este ano, desculpem os camaradas da rotina de três dias seguidos, domingo regressarei a Aljustrel logo pela madrugada. o Manel espera-me e eu leva-lo-ei até à mais bela festa de todas. almoçaremos onde o cansaço das pernas mancas o exigir. às três, lá estaremos em frente ao palco 25 de Abril, para reforçarmos a LIBERDADE. passearemos no recinto espalhando a alegria de estar vivos e de sonharmos. numa qualquer tasquinha beberemos a amizade num brinde em que lembramos o sonho comunista. depois de jantar viremos embora. assim será até a morte levar um de nós... todos os anos. o Manel, resistente anti-fascista e militante comunista, não falhará mais nenhuma festa. a FESTA MAIS BONITA DO MUNDO!, nas suas ternas e sábias palavras. enquanto um de nós for vivo, os domingos da festa serão vividos entre a multidão, pelos dois, como verdadeiros camaradas. ele disse-me que não quer dar trabalho! eu disse-lhe que nunca lhe poderei agradecer a LIBERDADE, por mais que faça. gosto do Manel. ele gosta de mim! somos camaradas! temos festa! temos PARTIDO.

Nunca mais é domingo de AVANTE?

15 comentários:

Ana Camarra disse...

Ainda bem que Manel é teu amigo!

beijos

Irlando disse...

Felizmente que existem muitos Manéis

Cid Simões (CS) disse...

E eu li e tive dificuldade de chegar ao fim porque os olhos se me embaciaram. Vou tentar ir à minha FESTA que durante tantos anos ajudei a construir. As pernas também já não me ajudam. Gostava de encontrar o camarada Manel. O nosso Partido além do mais tem esta sublime mensagem de emoção.

CRN disse...

António,

E mesmo que essa solidariedade não caiba em Aljustrel, por aqueles que não possam viver a Festa, vamos fazer de Portugal uma Atalaia contra o fascismo. Trazer a Festa para rua, para os dias, para dissolver o marasmo de muitos de nós, povo!

Abraço

XICA disse...

Grande prova de resistência!Como é dificil ler isto tudo de uma assentada sem que as lágrimas rolem tipo cascata.
E tu não me desiludiste nem um tiquinho, és muito maior do que te fiz na minha imaginação e cresces, a cada dia que te mostras, no meu coração, grande camarada, grandes camaradas, tu e o manel, e eu se me permitirem, gostaria muito de poder brindar com vocês no domingo, naquela festa.
Aquele abração tonico.

samuel disse...

E que grande domingo vai ser!

Abraço.

albano ribeiro disse...

O Manuel tem a sorte de ter além de o camarada,um verdadeiro amigo,que 'inveja'.Isto é solidariedade na verdadeira acepção da palavra.Lá estaremos na "nossa" Festa.
Abraço

Dijambura disse...

:)

aldeiavermelha disse...

Que forma bonita de o partilhares, e além disso achei que são palavras de coragem. Temos Festa e Partido!

Carlos Vale disse...

Tenho os olhos embaciados camarada
Se alguma coisa puder fazer, conta comigo.
Vamo ter Festa e Partido.
Um abraço.
Carlos Vale

Maria disse...

Tive de parar a leitura duas ou três vezes. Porque as lágrimas caíam e não conseguia ler-te!
Tanto Amor neste texto, António. Como em outros que escreves, e me tornam os dias (noites) mais leves.
Acho que sei onde te encontrar no Domingo, na Festa... quero dar um beijo ao Manel. E outro a ti...

Anónimo disse...

Um agradecimento muito grande a ti e também ao Manel.
Lá estaremos para a Festa da Liberdade no País que foi sonhado, foi vivido em muito pouco tempo e tem estado num processo de regressão ao passado há 33 anos.
Mas a Luta Continua porque a Vitória é Difícil mas É Nossa.
Mais uma vez, obrigado.
Valdemar

rapariga do tejo disse...

Também gostava de conhecer o Manel.
e convosco partilhar um pouco do domingo de amizade na nossa Festa.
a festa mais linda do mundo!

Mais uma história de vida que tu, camarada tão sabes contar e sentir!!

Viva o nosso Cravo, o no Partido e todos os camaradas e amigos que aqui vêm partilhar a vida connosco!!!

Anónimo disse...

:-)... bonito texto...
... e um gesto grandioso... ainda mais bonito...

Beijo menino bonito
:-)

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

Que texto lindo comovente solidário. Aqui a palavra camarada, a palavra mais linda do mundo,está inscrita no seu máximo de qualidade.