A FERRO E FOGO

José Manuel Fernandes (JMF), director do Público, desnudou-se, hoje, uma vez mais, em editorial - e o que exibe é o habitual mete-nojo de provocar vómitos.
A pretexto das Honduras - finalmente!... - debita um texto abjecto sobre a América Latina. Trata-se de uma daquelas prosas típicas dos propagandistas assumidos do imperialismo norte-americano e no qual JMF se confirma como falcão sedento de crime e de sangue.
O que não espanta, tratando-se de quem se trata, mas que não pode passar sem registo... para que fique registado...

Como é habitual neste tipo de práticas, o Director do Público socorre-se de igual trabalho sujo de dois colegas - um «prestigiado intelectual mexicano» e uma «especialista em assuntos sul-americanos» - e conclui, com eles, tudo o que, de facto, ao imperialismo norte-americano interessa que os seus propagandistas concluam e divulguem.
Diz JMF, de braço dado com o «prestigiado intelectual mexicano», que em relação às Honduras, é preciso «separar as águas e regressar, de forma coerente, aos princípios democráticos» - vejam bem!...
Ou seja: «não se deve condenar o golpe como se este tivesse ocorrido "num vazio", mas ter em consideração que ocorreu para impedir um outro "golpe constitucional",
ou seja: «os "golpistas" actuaram ilegalmente, só que o fizeram para repor a legalidade».
Ou seja: viva o golpe fascista, viva a repressão fascista, viva o encerramento de órgãos de informação, viva o governo golpista, vivam o crime, os presos e os assassinados: viva a morte!

Diz ainda JMF que os presidentes dos EUA, do Canadá e do México, presentes na actual Cimeira dos líderes da América do Norte, não podem deixar-se ir «a reboque de Chávez e dos seus aliados mais ou menos autoritários, como Daniel Ortega (Nicarágua), Rafael Correia (Equador) ou Evo Morales (Bolívia), alguns deles no poder graças ao apoio dos petrodólraes venezuelanos» - e não diz mas sente e pressente que o melhor é mandar lá uns marines e umas tropas especiais para, à boa maneira dos EUA, repôr a legalidade democrática, a liberdade e os direitos humanos...
Tanto mais que, informa JMF, a colega «especialista em assuntos sul-americanos» revelou «novos documentos sobre a ligação entre os apoiantes de Manuel Zelaya e as FARC» - os tais «documentos» que a CIA fabrica e manda revelar através das suas agências e agentes espalhadas pelo mundo, género Público e JMF - e que estão fartos de revelar idênticas ligações às FARC por parte da Nicarágua, do Equador e da Bolívia...

E era essa a grande questão a que JMF queria chegar: a guerra santa que tem como protagonistas, de um lado, Uribe que JMF vê como «o presidente determinado (que) combate o terrorismo guerrilheiro e o narcotráfico», e do outro lado, as FARC e todos os que não apoiam o narco-fascista...
Isto é: de um lado os sacrossantos interesses do imperialismo norte-americano; do outro lado os povos que assumem o direito humano de decidirem sobre os seus destinos - e que é necessário arrasar, liquidar, eliminar de uma vez por todas. A ferro e fogo.

14 comentários:

samuel disse...

Ainda há pouco tempo tive o desprazer de partilhar uma sala de restaurante com essa besta.
Fica sempre tanta coisa por dizer...

Carlos Vale disse...

Não acredito que JMF não saiba das ligações de Uribe com os homens do narcotráfico.
A construção de todo o artigo só teve um objectivo:
Passar a mensagem que interessa aos interesses do imperialísmo.
Não engana ninguém. Um nojo.
Carlos Vale

filipe disse...

Uma nojeira, exactamente. Mas a confirmar que tanto lá, "no ventre da besta", como cá, nas suas versões lacaias, o pavor perante quaisquer avanços populares desmascara-lhes a agressividade criminosa e a vocação para as práticas fascistas. Que "democraCIAs" as deles! Facto que torna a unidade e a luta dos democratas mais necessária e urgente.
Abraço.

Antuã disse...

Quem duvida que José Manuel Fernandes é um criminoso fascista?

Antonio Lains Galamba disse...

um fascista de serviço... não passa disso. canalha.

Irlando disse...

Subserviente de Belmiro,não esquecer que essa parelha,até conseguiu que os trabalhadores do jornal aceitasse uma redução nos salários.Mas como ia dizendo esse senhor é um dos novos "educadores do povo" que têm lugar cativo nas TVs para debitar as opiniões do chefe.

Fernando Samuel disse...

swamuel: ui! se fica!...
Um abraço.

Carlos Vale: ele sabe bem por que é que escreve o que escreve...
Um abraço.

filipe: a «democracia» deles está a desmascarar-se a um ritmo interessante; um dia destes... acabou...
Um abraço.

Antuã: pelo menos apoiante de criminosos, é.
Um abraço.

Antonio Lains Galamba: isso...
Um abraço grande.

Irlando: e teve uma evolução muito interessante, desde a chamada «extrema esquerda» até à direita quase extrema...
Um abraço.

aferreira disse...

Nojo

Fernando Samuel disse...

aferreira: exactamente.
Um abraço.

Hilário disse...

Este senhor JMF está ao serviço do grande Capital/CIA.
É um nojo|
Um Abraço

Fernando Samuel disse...

Hilario: que é um nojo, é...
Um abraço.

Ana Camarra disse...

Registe-se pois então!

Fernando Samuel disse...

Ana Camarra: para... ficar registado...
Um beijo.

Maria disse...

O homem é um vómito. Ainda vai voltar ao assunto das FARC, provavelmente lá para o início de Setembro... no primeiro fim-de-semana, quem sabe...

Um beijo grande