POEMA

A CAMARADA


És a minha camarada
e antes de ti só ponho
a Revolução;
te afanas e afadigas,
compreendo,
pelas crianças,
pelos bairros de cartão,
lata e lixo,
pelos doentes e mortes prematuras.

Hoje estás aqui,
junto aos meus olhos que te seguem;
amanhã em Santiago
ou Pinar del Rio
ou no meio da madrugada
organizando rectificações,
tentando pôr de pé
o que caiu,
cerceando o apodrecido.
Assim, jardineira, construtora,
ser do vento, semeando e indo...

A ti não te destrói
Praia Girón,
novos mercenários ou fuzileiros,
em ti falha o terror;
tu pensas, tu trabalhas,
para que as coisas sejam
como devem ser.


Alcides Iznaga

6 comentários:

samuel disse...

É a única maneira de fazer falhar o terror...
Pensar e trabalhar para que as coisas sejam como devem ser. Dito assim, é muito bonito!

Abraço

Maria disse...

E eu se estivesse lá trabalhava como voluntária onde fosse preciso...
Ah, e como eu gostava!!!

Beijo grande

Justine disse...

Que bela declaração de amor inteiro!

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel

Eu sou tua camarada, iremos até onde for preciso.

beijos

poesianopopular disse...

É a solidariedade e a disciplina que caracteriza, os comunistas e os verdadeiros democratas!
Abraço grande

Fernando Samuel disse...

samuel: quando as coisas são como devem ser, tudo vai melhor...
Um abraço.

Maria: é que para a Revolução fazemos o que for preciso.
Um beijo grande.

Justine: é assim que se quer o amor: inteiro.
Um beijo.

Ana Camarra: até ao fim!
Um beijo.

poesianopopular: duas características fundamentais, sem dúvida.
Um abraço.