EI-LOS!

Têm calendário: aparecem sempre em alturas certas: momentos de fortes lutas dos trabalhadores; anos de congresso; anos de eleições - enfim, quando lhes parece (a eles e sabe-se lá a quem mais) que é a melhor altura...
Também se repetem sempre no que respeita a «argumentos» utilizados.
E na indignidade.
E na desvergonha.

A semana passada foram quatro, no Porto, todos dirigentes do Sindicato dos Professores do Norte: no mesmo dia e à mesma hora anunciaram a sua saída do PCP.
Garantem, no entanto, que não se tratou de «uma posição conjunta, mas de uma mera coincidência»...
«Coincidência» será, também, o momento pelos quatro escolhido: quando a difícil e histórica luta dos professores contra a política de Sócrates se agudiza; quando se desenvolve uma intensa campanha procurando dividir os professores para enfraquecer a sua luta.
E cá está o «argumento» da praxe: «os sindicatos são estruturas independentes quer o PCP goste ou não goste».
Tradução minha: «independentes», para eles, significa: ao serviço dos interesses contrários aos dos trabalhadores que representam.
Como sempre, a notícia foi amplamente divulgada pelos média dominantes - que certamente não darão igual destaque à futura notícia da adesão formal dos quatro (em conjunto ou à vez) ao(s) partido(s) a que, presumivelmente, já pertencem...


Anteontem foi o Presidente da Câmara de Sines.
Em conferência de imprensa, como sempre amplamente divulgada pelos média dominantes, anunciou a sua demissão do PCP.
E cá está o «argumento» da praxe:
«Este partido está impregnado de um conjunto de características típicas de organização dogmática, com disciplina de caserna, que o tornam uma organização estalinizada, com práticas reaccionárias, envolvidas de um discurso pretensamente progressista mas, de facto, retrógrado
».
Tradução minha: neste partido não me safo; não tolero este funcionamento colectivo em que todo o bicho careta quer dar opiniões e ser ouvido; não suporto estes sectários que não me deixam fazer o que quero, como por exemplo mandar às urtigas o projecto autárquico da CDU e apoiar a política regional e nacional do PS, por isso demito-me...

Como sempre acontece, este Presidente, não se demitiu do cargo.
E porquê?
Porque, diz ele, «abandonar o cargo seria sinal de ligeireza e até de cobardia».
Traduzindo: mantendo-me como presidente, estarei em muito melhores condições para, por exemplo, encabeçar a lista do PS às próximas autárquicas.


17 comentários:

samuel disse...

És um excelente tradutor!!!

Abraço

do zambujal disse...

Tanta ausência de vergonha!
De respeito... por si próprio!
O PS lança a rede, estreita a malha, mas ao contrário da lógica (a chuva cai para baixo, diria o Brecht) é o "peixe miúdo" que é apanhado... até porque se põe a jeito. São uns jeitosos!
Parabéns pelos (novos) dotes de tradutor!

Luísa M. disse...

Também gostei do rigor da tradução, embora também ache que há aqui um também rigoroso diagnóstico...

julio filipe disse...

Tradução e diagnóstico certeiros.
Bom é que saiam. Entretanto, a cada mês, muitas dezenas vêm e entram no Partido. Estes, porque não vêm em busca de prebendas ou lucros pessoais, são melhores e, connosco juntos, são garantia sólida do futuro!
Saudações fraternas.

Aristides disse...

É twmpo de clarififações. Ficamos todos à espera.
Abraço

Antuã disse...

Sempre houve e haverá traidores. A sua vergonha, porém, é igual à de qualquer agente técnico por fax.

João Filipe Rodrigues disse...

Como se costuma dizer:
Só faz falta quem cá está!

Abraço

alex campos disse...

As traduções são excelentes, mas os "senhores" têm razão, coitados. É que a história tem a mania de dar razão aos comunistas. Rais parta a História, carago!!!

CRN disse...

Fernando,

A corrupção é uma lacra.

A revolução é hoje!

Anónimo disse...

Há que compreender.
A Fundação recentemente criada - ao que consta - paga bem e a horas.
E a vida está tão difícil...
Rui Silva

Fernando Samuel disse...

samuel: muitos anos de experiência...
Um abraço.

do zambujal: jeitosos e bem desapessoados...
Um abraço.

Luisa M.: é possível. Aguardemos.
Obrigado pela visita.

júlio filipe: e são esses que contam - o resto é... resto.
Abraço grande.

Aristides: eles andam por aí...
Um abraço.

Antuã: e habitam todos a mesma casa comum da desvergonha...
Um abraço.

João Filipe Rodrigues: nem mais!
Abração.

alex campos: por isso eles a reescrevem...
Um abraço.

CRN: e são muitos os caminhos por onde ela circula...
Um abraço.

Rui Silva: e «eu quero é ganhar o meu»...
Um abraço.

Anónimo disse...

Pois, entao é por causa "por exemplo" do PS?
a isto se aplica o ditado popular: "quem feio o é, bonito lhe parece".
claro, o PCP por mais saidas que tenha(e isto é mais uma derrota para o PCP) continua a ser, se calhar, "o mar de rosas".
Pois.

J.Z.Mattos

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel

Aflige-me as pessoas terem um preço.
Principalmente porque acho que a dignidade não o têm.
Infelizmente sabemos que existe sempre quem se venda, existe sempre quem se agarre ao poder com uma droga.
è claro que o timming é este daqui para a frente é ver o strip tease de principios até nada sobrar.

beijos

Fernando Samuel disse...

J.Z. Mattos: há aí uma falhazinha no ditado popular... apareça sempre.


Ana Camarra: a dignidade custa muito a quem a tem; a indignidade dá muito a quem a tem...
Um beijo.

Anónimo disse...

"Quem feio ama, bonito lhe parece"

J.Z.Mattos

Maria disse...

Até me chateia escrever logo aqui por baixo, mas esperemos meia dúzia de meses (ou nem tanto) e veremos as listas...
Já se esperava mesmo...

Um beijo grande
(e tanto para ler, que bom!)

Fernando Samuel disse...

Maria: talvez nem seis meses...
Um beijo grande.