POEMA

DIGAMOS NÃO


Agora que estamos juntos
direi o que tu e eu sabemos
e que às vezes esquecemos:

Vimos o medo
ser lei para todos.
Vimos o sangue
- que só faz sangue -
ser lei do mundo.

Não,
eu digo não,
digamos não.
Nós não somos deste mundo.

Vimos a fome
ser pão para muitos.

Como fizeram calar
tantos homens
cheios de razão.


Raimon

5 comentários:

poesianopopular disse...

Por incrível que pareça, ainda hoje se fazem calar muitos homens cheios de razão.
Por tal facto, a luta não pode abrandar... A luta é o caminho!
Até amanhã camarada!
Abraço grande

GR disse...

Quantas vezes (me) pergunto,
“Como fizeram calar
tantos homens
cheios de razão.”
tanta tristeza me dá.
Poemas assim dão-nos força e
A Luta é o caminho!

Bjs,

GR

Maria disse...

Vamos todos dizewr NÂO com toda a força que tivermos.
Até ficarmos roucos. Até nos doer a voz.

Até amanhã, Camarada!
Um beijo grande

samuel disse...

E continuam a fazer...

Há que tempos não ouço nada do Raimon! E a capa fantástica que o Miró lhe fez para um disco, a partir exactamente da palavra Raimon? Inveja...

Abraço

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel

Ainda assim não conseguem calar todos!

Beijos