POEMA

O CANTO DA ESTRELA


Sobre o sangue, em charcos, no sendeiro,
já semeado de crimes e de espanto,
a estrela redentora com seu canto
brilhou num céu claro de Janeiro.
Desperta, limpa, pura, e pela força
de Fidel e do seu povo suspensa,
já nada haverá que o seu caminho torça
nem que brilhar, em toda a luz, impeça.

Em toda a luz de honra e de decoro
e jamais rebaixada e de joelhos.
A besta negra que a noventa milhas,
do lodo putrefacto do seu oiro,
a nossa Pátria, por pequena, ofende
e por livre maltrata e insulta,
não mediu o tamanho da estrela
que em seu sangrento triângulo se acende.

A guerra imperialista que a espia
desde a podridão da sua escória,
verá que sua medida não está feita
senão à medida da vitória.
O gigante Golias foi tombado
por David, cuja funda enfurecida
tem agora o nosso povo armado
e da Praia Girón sabe a medida.

Do heróico triângulo em que cintila
a sua luz, a estrela como nunca brilha,
e ante o imperialismo não se humilha,
não se humilha jamais e nem se curva.

Já da liberdade das montanhas
é mais firme a luz que lança.
Se o ianqui nos invade, saberá
como é a chama desta estrela!

Nenhuma força haverá que a derrube
nem que lhe imponha jugos ou cadeias,
porque todo o seu fogo o recebe
da torrente viril das nossas veias.
E embora partida e feita em estilhas
essa estrela, a luz que ela derrama
sempre erguerá a redentora chama
sobre a morte e sobre as cinzas!


Manuel Navarro Luna

6 comentários:

Maria disse...

O teu poema de hoje só podia ser um, assim...
Obrigada.

Um beijo grande

samuel disse...

"e ante o imperialismo não se humilha,
não se humilha jamais e nem se curva."

E fazê-lo durante 50 anos, é obra!

Abraço

Antuã disse...

Com poesia também se faz a revolução.

Justine disse...

E o poeta continua a ter razão! Cada vez mais!
Abraço grande, amigo! Bom Ano!

GR disse...

“Nenhuma força haverá que a derrube”

Viva o 50º aniversário da Revolução Cubana!
Viva Cuba!

GR

Fernando Samuel disse...

Maria: um beijo grande e que viva Cuba!

samuel:... e, ao que parece, estão dispostos a continuar outros tantos...
Um abraço.

Antuã: «a poesia é uma arma carregada de futuro».
Um abraço.

justine: que saudades!...
Bom ano!
Um beijo.

GR: Viva Cuba!
Um beijo.