OS OUTROS «11 DE SETEMBRO»

O 11 de Setembro de 2001 em Nova-York, foi o que foi: o terror, o horror, a morte de cerca de três mil pessoas.
Dele vêm falando, há dez anos - e, de forma intensa, na última semana e hoje - os média dominantes de todo o mundo.
Repetindo-se na leitura dos acontecimentos decidida pelos ideólogos do imperialismo e exportada para todo o planeta, esses média silenciam ou deturpam, por razões óbvias, muitos outros «11 de Setembro»: todos os que resultaram da ambição de domínio do mundo do imperialismo norte-americano - e que provocaram o terror, o horror, a morte de milhões de pessoas.

A lista que se segue - feita de memória e certamente incompleta - regista os nomes de países onde ocorreram, nas últimas décadas, esses outros diversos e diversificados actos de terrorismo, esses outros «11 de Setembro» perpetrados pelos EUA:

Afeganistão, África do Sul, Angola, Arábia Saudita, Argentina, Bolívia, Brasil, Cambodja, Chile, China, Colômbia, Congo, Coreia do Norte, Cuba, Egipto, Equador, Espanha, Etiópia, Filipinas, Granada, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Indonésia, Irão, Iraque, Japão, Jordânia, Jugoslávia, Kwait, Laos, Líbano, Líbia, Nicarágua, Paquistão, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, Salvador, Síria, Somália, Sudão, Timor-Leste, Tunísia, Uruguai, Venezuela, Vietname.

Todos estes países ou foram bombardeados pelos EUA ou às suas ordens;
ou foram invadidos e ocupados pelos EUA;
ou foram alvo de bombas atómicas, ou bombas de urânio empobrecido, ou do napalm, ou de terrorismo biológico e químico, de desfolhantes e do «agente laranja», ou do vírus da peste, utilizados pelos EUA;
ou, neles, os EUA instalaram sangrentas ditaduras;
ou, neles, os EUA apoiaram ditaduras fascistas;
ou, neles, os EUA armaram e apoiaram grupos terroristas;
ou..., ou..., ou...


São estes outros «11 de Setembro» que o Cravo de Abril relembra, hoje, aos seus visitantes. 
Em homenagem à memória de todas as vitimas do terrorismo.

17 comentários:

samuel disse...

Os "critérios jornalísticos" mandam que se fale apenas de um "11 de Setembro".
Vê-se logo que não estás "dentro" dos critérios...

Abraço.

cid simoes disse...

Todos sabem mas poucos têm a coragem e honestidade de o afirmar. O terror tem um nome: EUA.

Pedro Namora disse...

eis alguns 11 de Setembro (que cada setembrista adoptará como Setembros amigos e Setembros inimigos):
• 11 de Setembro de 2001 – Ataque às Torres Gémeas de Nova Iorque, reivindicado pela organização de Bin Laden, ex-agente dos USA. O crime saldou-se em 3.000 mortos.
• 11 de Setembro de 1973 – Golpe militar encabeçado por Pinochet no Chile contra o Governo Democraticamente Eleito. O crime saldou-se em 10.000 mortos e desaparecidos , milhares de prisioneiros, milhares de expulsos dos empregos e das escolas e milhares de exilados. Pinochet foi acidentalmente preso em Londres e, meses depois, libertado pelas maquinações do Eixo do Bem. Ao contrário do intocável Pinochet, Milosevic, que desobedeceu às directivas imperiais, ficou sujeito ao Tribunal da NATO, também conhecido por TPI/Tribunal Penal Internacional, em Haia.
• 11 de Setembro de 1973 – Governo israelense toma a liberdade de expulsar Arafat da Palestina, medida suspensa por pressão internacional.
• 11 de Setembro de 1973 – Primeira reunião clandestina dos militares do MFA/Movimento das Forças Armadas, no Alentejo, preparando o derrube da ditadura terrorista portuguesa, apoiada ou tolerada pelas democracias ocidentais , com os USA à cabeça, pela NATO e por outras instituições definidoras e reguladoras do Eixo do Bem e do Eixo do Mal.
• 11 de Setembro de 1965 – Chegada ao Vietname da 1.ª Divisão de Infantaria dos Estados Unidos, prenunciando a escalada de um conflito com mais de dois milhões de mortos vietnamitas e 58.000 filhos dos USA, a estes últimos se adicionando 2.800 desaparecidos .
• 11 de Setembro de 1917 –Data de nascimento de Ferdinando Marcos, ditador das Filipinas (governava por decreto), sanguinário e intocável, besta sagrada da Grande Corrupção e fantoche do Eixo do Bem. Após se tornar insustentável a manutenção do friend Ferdinando, os USA hospedaram-no no Hawai, em 1986, onde gozou da fortuna até que o Além decidiu abatê-lo ao efectivo terrestre no ano de 1989 da Era Cristã.
• 11 de Setembro de 1902 – Data de nascimento de Bento Gonçalves, operário e revolucionário, secretário-geral do Partido Comunista Português, assassinado, em 1942, no Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde.
• 11 de Setembro de 1840 – Bombardeamento de Beirute pela Grã-Bretanha, já na altura apostada na guerra preventiva contra o poder árabe e islâmico. Não dispomos do balanço letal das canhoeiras de Sua Majestade. De resto, em meados do séc. XIX, a vida de um libanês não merecia tratamento estatístico: ainda valia menos do que hoje a vida de um libanês, de um palestiniano, de um afegão, de um iraquiano ou de qualquer opositor, resistente, terrorista nouvelle vague ou terrorista amigo descartável.

Pelo exposto, não teremos de aceitar o 11 de Setembro de 2001 como novo marcador/divisor da História, o Antes e o Depois de Cristo de Nova Iorque. É certo que foi um acto de terrorismo contra um sistema terrorista, sendo o seu maior delito haver alvejado seres humanos apenas teoricamente responsáveis por sufragarem com o seu voto e a sua passividade o sistema em vigor. É certo que se tratou de um acto hediondo, de contornos ainda por descodificar em toda a extensão da trama. É certo que tem sido um providencial pretexto para a militarização e a policiação do mundo pelo Reich anglo-saxónico. É certo que o Império organizou exéquias universais, obrigando os governos-satélites, a comunicação social dominada e dominante e os escribas dos faraós do Far-West a demonstrar luto, repetidas condolências, lágrimas convulsas. Mas o pesar pelas vítimas de Bin Laden não deverá fazer olvidar as vítimas dos Estados Unidos e demais potências imperiais, coloniais, invasoras e espezinhadoras de todos os tempos e lugares. Temos muitos 11 de Setembro para reflectir.

(excerto de um texto de César Princípe)

trepadeira disse...

Enquanto houver ditadores haverá terrorismo de estado.

Um abraço,
mário

josé Manangão disse...

Tenho dificuldade em saber quando se fala de terrorismo,se , se está a falar do terrorismo profissional ou do amador, - é que os dois existem ou não?
Estava a lembrar-me dos carteiristas, e os outros que vão diretamnte ao dinheiro!
Para que não hajam confusões, eu assino tudo o que está escrito neste post.
Abração

Graciete Rietsch disse...

Não podemos esquecer que esta data há-de ainda trazer mais "11 de setembro".
Unamo-nos e lutemos contra todos os "11 de setembro" na forja dos E. U.

Um beijo.

Maria disse...

As televisões não falam de outra coisa, desde ontem. Por isso é tão necessário lembrar TODOS os outros 11s de Setembro.
A lista que apresentas é extensa. Excelente para avivar memórias.

Um beijo grande.

joão l.henrique disse...

Muito bem relembrado.


Um abraço.

Sérgio Ribeiro disse...

E fizeste-lo muito bem.

Grande abraço

svasconcelos disse...

Muito bom post! Um beijo,

Miguel Botelho disse...

Graças a este 11 de Setembro (e não o outro...1973), vimos os primeiros bombardeamentos no Afeganistão, o massacre em Jenin, a invasão do Iraque e o criminoso cerco a Fallujah, as torturas em Abu Ghraïb, um milhão de mortos iraquianos, o bombardeamento do Líbano, o golpe de estado nas Honduras, o criminoso cerco a Gaza, o bombardeamento da Líbia...

EUA: conglomerado de estados fícticios, roubados aos índios e liderados por uma estrutura de poder corrupta, mentirosa e malfeitora.

Amanhã: dia do aniversário de Leonard Peltier, índio americano preso há 36 anos por crime não cometido.

O Puma disse...

Nos teus exempços cincretos

não existem Torres

só mortos (?)

O Puma disse...

Concretos

Olinda disse...

Como sempre,um muito bom post.Chile,11-9,sempre na nossa memória.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Deixa-me ser, pelo menos uma vez na vida, egoista.

A mim está-me a custar muito mais este 12 de Setembro que os vários 11 de Setembro.

Isto de regressar de férias doi "pra cacete" !

Fernando Samuel disse...

samuel: na verdade, estamos um «bocadinho» fora dos critérios...
Um abraço.

cid simoes: horror escreve-se com três letras...
Um abraço.

Pedro Namora: obrigado pela achega.
Um abraço amigo.

mário: enquanto houver capitalismo...
Um abraço.

José Manangão: há diversas formas de terrorismo, mas se é terrorismo ele é sempre praticado no mesmo sentido.
Um abraço.

Graciete Rietsch: bem precisamos de nos unir e lutar com esse objectivo.
Um beijo.

Maria: e é uma lista incompleta...
Um beijo grande.

João l.henrique: relembrar, relembrar sempre...
Um abraço.

Sérgio Ribeiro: abração.

svasconcelos: vergonha minha: não fui beber a bica contigo!...
Um beijo muito amigo.

Miguel Botelho: foi um 11 de Setembro que abriu caminho a uma mortandade imensa...
Um abraço.

O Puma: há Torres e «torres»...
Um abraço.

Olinda; SEMPRE!

Eduardo Miguel Pereira: um bom regresso, e com muita força para a luta, é o que te desejo.
Um abraço.

Bolota disse...

Não sei se ainda vai gerar mais confusão mas:

http://www.pentagonstrike.co.uk/pentagon_bp.htm#Main

Abraços