POEMA

COLUNA


Levanta a fronte, levanta!

Que toda a gente saiba de quem é.
Não faças dela a cinza duma chama
nem planta nua dum pé
abrindo covas na lama.

Levanta a fronte, levanta!

Não faças dela espelho a descoberto
onde o quebrado corpo se despoja,
num chão intérmino e deserto
em que a dor se roja.

Levanta a fronte, levanta!

Para quê essas sombras que te inundam,
sombras roxas e lôbregas de becos?
Para quê essas rugas que se afundam
como leitos de rios secos?

Levanta a fronte, levanta!

Foi a cela que te anoiteceu
com charcos de medo e gelo?
Quem trouxe um sonho como o teu,
jamais deve perdê-lo.

Levanta a fronte, levanta!

Quem ergue a fronte, levanta a voz,
levanta o sonho num facho a arder:


lUÍS VEIGA lEITÃO

3 comentários:

CRN disse...

"Num" ou em qualquer...

Um abraço

Graciete Rietsch disse...

Tantos e tantos que anoiteceram na cela,mas não deixaram nunca de erguer a fronte e levantar a voz.
Saudade de Veiga Leitão,de quem era amiga.

Um beijo.

Fernando Samuel disse...

CRN: sim, num qualquer...
Um abraço.

Graciete Rietsch: é um dos «meus» Poetas.
Um beijo.