POEMA

A VIDA DE FAMÍLIA


a vida de família tornou-se um bem difícil
com as contas a pagar os filhos a fazer
ou a evitar a ranhoca a limpar
a vida de família não tem razão de ser
não tem ração de querer

a vida de família jangada da medusa
é o tablado da antropofagia

mas ficam os retratos cristo virgem maria
e os sobreviventes, que vão chupando os dentes


Alexandre O'Neill

8 comentários:

CRN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CRN disse...

"é o tablado da(s) antropofagia(s)", estou de acordo. Maiakovski, por ser aquele que agora tenho mais à mão, escreveu algo que poderia ser uma resposta a este poema.
Não conhecia, obrigado.

Um abraço!

Maria disse...

... enquanto houver dentes...
depois ficarão apenas os retratos...

Um beijo grande.

trepadeira disse...

Espero que o povo cerre,os dentes,enquanto os tem.
Também pode começar por arreganhar-lhos.
Um abraço,
mário

Graciete Rietsch disse...

Bem actual este poema. Alexandre O`Neill desapareceu ainda há relativamente pouco tempo, mas conhecia bem esta sociedade triste e desesperançada.

Um beijo.

GR disse...

Com estes novos contratos sem horários, nem direitos,o conceito de família é cada vez mais distante. Que bom seria se os membros de todas das famílias começassem a chupar o sangue dos chacais!

Bjs,

GR

samuel disse...

Façam-se famílias novas... com outros retratos, com uma nova vida.

Abraço.

Justine disse...

O seu sarcasmo corrosivo!