ELES ANDAM POR AÍ...

Todos os dias somos confrontados com uma qualquer das múltiplas modalidades de que é feita a campanha em curso visando o branqueamento e (ou) promoção do fascismo.

A partir do esforço hermenêutico de um rebanho da estoriadores do sistema - os quais se situam politicamente num amplo espaço que vai da extrema (dita) esquerda à extrema (de facto) direita - está concluído e escrito que em Portugal não existiu fascismo: existiu, quanto muito, dizem eles, um regime autoritário, com um chefe género pai severo, que se limitava, de quando em quando, a puxar as orelhas aos filhos mais rebeldes...
E se os estoriadores assim concluem e as suas conclusões são difundidas pelos média dominantes e chegam a todo o lado, inclusive às escolas... quem é que se atreve a questionar tão sábias conclusões?...

Mas a verdade é que tais conclusões facilitam - e de que maneira! - a acção dos grupelhos fascistas, ou neo-fascistas, que com crescente frequência dão sinal de si promovendo as mais diversificadas iniciativas - sempre com a complacência, quando não o estímulo, do regime de política única de direita e dos inevitáveis média propriedade do grande capital ao serviço desse regime - e sempre em violação flagrante da Constituição da República Portuguesa, recorde-se.
Como temos observado, as autoridades - céleres na repressão de trabalhadores em luta; na prisão, julgamento e condenação de dirigentes sindicais ou de jovens da JCP - tratam com cuidados maternais esses grupelhos fascistas que fazem o que querem, quando querem e onde querem.

É o que acontece, agora, com o abaixo-assinado que corre na Internet a exigir que a Ponte 25 de Abril volte a chamar-se Ponte Salazar...
Os promotores da iniciativa estão também a organizar um almoço comemorativo do nascimento do ditador fascista (que ocorreu em 28 de Abril de 1889). No entanto, por razões detectáveis à vista desarmada, decidiram que o almoço se realizaria... no dia 25 de Abril... Em Santa Comba Dão, é claro...

O promotor-mor destas fascistices é um tal «João Gomes, empresário, de 51 anos», que se farta de falar sobre os objectivos da sua acção patriótica...
Diz ele que não deixará que se «apaguem 40 anos de história» - o que só lhe fica bem...;
e que andou na «Mocidade Portuguesa» - lindo menino!... - onde aprendeu «uma série de coisas boas, por exemplo, como as meninas aprendiam a bordar»- as coisas que a «bufa» ensinava!...
E, certamente inspirado pelos tais estoriadores do sistema, proclama que Salazar, para fazer todas as bondades que fez, «teve que ter uma inspiração, senão divina, pelo menos suprema»... - era lá possível fazer tanta coisa boa sem uma inspiração desse tipo!

E, com tudo isto, é bem provável que, um dia destes, esta manifestação de raça patriótico-fascista deste Gomes salazarista, venha a ser condignamente premiada.
Como?: talvez uma medalha no 10 de Junho, ou assim...

Cuidado: eles andam por aí.

7 comentários:

Maria disse...

È verdade que andam.
Uns às claras, outros de formas muito bem encapotadas...

Um beijo grande

samuel disse...

E o pior é que uma saudável tareia só lhes daria mais visibilidade, além de os transformar numa espécie de novos "mártires da pátria".
Mas é uma pena!

Abraço

Antuã disse...

Eles andam como cães raivosos.

momentosydocumentos disse...

Andam bem por aí, temos que nos manter bem atentos e vigilantes. Não deixaremos que deturpem a história.
Abraço

Hilário disse...

Infelizmente eles nuncam partiram sempre tem cá estado, muito agasalhados.

É nestas alturas, em que o povo é mais explorado que eles andam de cabeça de fora.

Nós estaremos na primeira linha de combate, como já provamos.

Um abraço

Fernando Samuel disse...

Maria: e estão um pouco (ou um muito?) por todo o lado...
Um beijo grande.

samuel: uma grande, grande pena!...
Um abraço.

Antuã: que são...
Um abraço.

momentosydocumentos: é isso: atentos e vigilantes...
Um abraço.

Hilário: de facto, a bem dizer, nunca partiram de todo...
Um abraço.

Ana Camarra disse...

E o Tarrafal era um resort...