DESPREZÍVEL?: É POUCO

Na minha óptica, o cidadão Aníbal Cavaco Silva - mais conhecido por «o Cavaco» - é um ser desprezível.
Estarei a exagerar?

Bom, no retrato real do Cavaco não sei o que mais sobressai: se o seu incomensurável reaccionarismo; se a sua incomensurável reponsabilidade no estado a que chegou o País ; se a sua incomensurável culpa na situação dramática em que vivem milhões de portugueses; se a sua incomensurável incultura; se a sua incomensurável hipocrisia; se o seu incomensurável chico-espertismo saloio; se o seu incomensurável ego; se...

Por razões várias, entre elas a da higiene intelectual, não vou aqui desenvolver cada um dos incomensuráveis atributos do Cavaco.
Mas vou lembrar a sua posição face à proposta de Francisco Lopes no sentido de, em Dezembro, se iniciar a série de debates televisivos entre os candidatos presidenciais.
Todos os candidatos concordaram com a proposta excepto a cavacal figura. E porque a sua opinião conta mais do que as outras todas juntas, democraticamente não vai haver debates em Dezembro...

E quais são as razões do veto do Cavaco?
Simples: diz ele, bem do alto da sua incomensurável hipocrisia, que só participará em debates depois de formalizar a sua candidatura; e à pergunta sobre quando é que procederá a essa formalização, respondeu que ainda não sabe, acrescentando que a formalização de uma candidatura é um processo complexo e difícil e ele, coitado, não dispõe do apoio de uma máquina partidária...
Dicilmente se pode ser mais desprezível.

Mas para o Cavaco não há «dificilmentes»...
E - para provar que pode ser ainda mais desprezível - faz a sua campanha dizendo que não.
Pior ainda: é vestido de PR, portanto abusando do cargo que desempenha, que o candidato Cavaco leva por diante uma intensa campanha eleitoral, com todos os média dominantes a acompanhá-lo e a louvá-lo, numa despudorada operação de caça ao voto, e numa igualmente despudorada ausência de respeito pela inteligência e pela sensibilidade dos portugueses.
E no dia 23 de Janeiro, se for vencedor, virá dizer que foi eleito democraticamente...

Desprezível?: é pouco.

13 comentários:

samuel disse...

É! É pouco!
Hoje à noite, farei eco deste post necessário.

Abraço.

Justine disse...

Sim, o homem é tudo isso e infelizmente está no cargo que está...como é possível?

Júlio disse...

Tão desprezível que nem fomenta comentários.

svasconcelos disse...

Concordo em absoluto contigo!! Um dia destes li, não me recordo onde, que a abjecta figura na altura do salazarismo admitia estar plenamente inserido e adaptado à situação ( traduza-se: ditadura)... E curiosamente, penso que esta deve ter sido a sua afirmação mais honesta.

beijo,

Anónimo disse...

Apenas uma correcção, não de pormenor:
Saloio, sou eu!
... por isso, não quero comparações com gente da laia do cavaco de Boliqueime! (isso é gente que come de dentro da gaveta, com ela fechada!!!)
Rui Silva

Maria disse...

É um vómito nojento.

Um beijo grande para ti.

Sopro leve disse...

Infelizmente o zé povinho tem a memória curta...
Senão lembravam-se que foi este Sr. um dos grandes coveiros dos Portugueses... deu cabo de tudo o que de produtivo existia em Portugal, em troca de uns subsídios para construir estradas e pouco mais...
Vendeu o Pais e os Portugueses, por meia dúzia de tostões...

Manuel Rodrigues disse...

Ena pá... tanto repúdio, tanto asco, tanto rancor contra a mais inocente de todas as figuras da nossa vida política... o homem que avisa, que previne, que recomenda, que apadrinha, que prevê (que antevê o futuro)... o homem que, se fosse ouvido, jamais o país chegaria onde chegou...um verdadeiro santo condestável (repito: condestável, para que não confundam com contestável) dos tempos modernos... tenham lá paciência, mas assim não... se o homem não quer ir aos debates, é apenas porque a sua humilde atitude o impede de expor a sua infinita sabedoria perante a ignara atitude dos outros candidatos...

Anónimo disse...

É o Américo Thomaz civil.

Antuã

Fernando Samuel disse...

amuel: já lá fui e já vi que o desprezível deu o dito por não dito...
Um abraço.

Justine: correr com ele, é preciso...
Um beijo.

Júlio: desprezível basta...
Um abraço.

smvasconcelos: realmente, ele é pessoa desses tempos...
Um beijo.

Rui Silva: se tu o dizes...
Um abraço.

Maria: ascoroso...
Um beijo grande.

Sopro Leve por isso é preciso irmos lembrando as malfeitorias dele...
Um abraço.

Manuel Rodrigues: tiraste-lhe o retrato de corpo inteiro...
Um abraço.

Antuã: muito bem visto!
Um abraço.

pedras contra canhões disse...

Directamente para a partilha com mais gente!
o ser é de facto desprezível.

Graciete Rietsch disse...

Acabou por ceder.
A não resignação afinal resulta.

Um beijo.

Nelson Ricardo disse...

Contra gente abjecta como Cavaco Silva há que resistir por todos os meios.

Um Abraço.