COM O RABO ENTRE PERNAS

Cavaco Silva foi a Portimão, onde participou na iniciativa que assinalou o 150º aniversário do nascimento de Manuel Teixeira Gomes.

Quer na intervenção, quer nos comentários que foi soltando no decorrer da homenagem ao grande escritor e antigo Presidente da República, Cavaco mostrou-se tal qual é: pequeno, pequenino, minúsculo, ridículo, insignificante - exactamente o oposto do homenageado...

A dada altura, leu:
«Há quem afirme que foram os escândalos financeiros e as intrigas políticas que o levaram (a Teixeira Gomes) a renunciar ao cargo de presidente, pois nunca tolerou a desonestidade, sobretudo quando envolvia dinheiros, públicos ou privados».
Mas, dito isto, Cavaco não declarou a renúncia ao cargo de presidente - certamente porque tolera a desonestidade, sobretudo quando envolve dinheiros, públicos ou privados...

Diz o DN que Cavaco falava «com voz pausada e transmitindo uma imagem de serenidade nesta fase de pré-campanha eleitoral».
Mas perdeu a compostura quando uma jornalista o confrontou com as declarações de Francisco Lopes lembrando, pertinentemente, as responsabilidades directas de Cavaco na fome existente em Portugal, devido aos mais de 15 anos em que ocupou os cargos de primeiro-ministro e de Presidente da República - coisa de que Cavaco nem quer ouvir falar, especialmente porque lhe estraga a imagem de «salvador da pátria» que ele vem contrabandeando...

Face à questão colocada pela jornalista, «logo surgiram risos e interrupções» e Cavaco - «desta vez não escondendo algum incómodo, tal como o seu staff» - do alto da sua incomensurável pequenez, fugindo com o rabo à seringa - decretou que a questão «não merece qualquer resposta»...
E, «dirigindo-se, de imediato, para a porta de saída», desapareceu, fugiu.
Com o rabo entre pernas.
Consta que os ganidos se ouviram de barlavento a sotavento...

10 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Boa pergunta e óptima fuga de Cavaco. Mostrou bem o que vale.

Um beijo.

Maria disse...

Abençoada jornalista que tirou o homem do sério...

Um beijo grande.

Màrio Reis disse...

Ou é de mim ou a tv do serviço público mias uma vez fez censura, nada referindo no telejornal das 20h.
Vi na TVI e o FLopes fez uma declaração digna e contundente sobre o padrinho de uma máfia que devora este país e o povo há décadas.

joão l.henrique disse...

Cavaco ficou incomodado com a pergunta do jornalista porque sentiu o dedo na ferida... e,como tal, fugiu com medo.
É por estas e outras... que foi tão difícil agendar com a sua candidatura, os debates televisivos.

Um abraço.

Bolota disse...

" «não merece qualquer resposta»..."

Se este é um dos pontos fracos de Cavaco e parece que sim, é fazer como os pogilistas, falagelar o sobrolho que está aberto e a sangrar em proximos debates e levar Cavaco a abrir outros flancos que tem alguns.

Enerva-lo é outro dos flancos que Francisco Lopes deve explorar.

samuel disse...

Houvesse verdadeiro jornalismo e verdadeiroa jornalistas no activo... e esta campanha seria tão diferente!...

Abraço.

CD disse...

Como acertada e lucidamente sentenciou Saramago :
"Um génio de banalidades"

svasconcelos disse...

Essa resposta dele, recorrente aliás, merece-se tanto asco como raiva. Quando não sabe o que responder, quando o verniz lhe estala a composição de imagem de "super-homem" expõe o que relamente o compõe: mesquinhez!
Quanto à homenagem a Manuel Teixeira Gomes... não nego a sua qualidade literária, é factual,mas homenagear um indivíduo que movia nos escombros da (des) humanidade onde a exploração infantil (sob vários tipos de maus tratos) era um hábito que cultivava, é pactuar com as suas práticas.
De facto, tenho vergonha de ter um um PR tão patético, incoerente, inculto e néscio como este.

Um beijo,

Anónimo disse...

Foge que é ladrão!

Zé Canhão

O Puma disse...

Ainda terá muito que uivar

pois nesse cavalheiro
ninguém deve acreditar
nem nas impressões digitais