POEMA

NÃO TRAIO
(boca cerrada de raiva)


Não traio.
Porque insistes?
Não traio.

Desde criança que meu Pai me ensinou
não haver tempestade
na terra ou nos céus
que não traga
a praga
de um falso herói
salvador da Cidade.
Ou a esperança de um semideus
com um raio
na Mão
que tudo destrói
para pintar depois o sol e o Chão
de outra realidade.
Mas nunca encontrarás traidores
entre os que sempre como eu sonhámos combustões
de novas flores
com pétalas de asas de liberdade
que só nascem e crescem regadas pelos gritos e lágrimas
das multidões.

Povo, continua! Não páres a tua tempestade.


José Gomes Ferreira

6 comentários:

CRN disse...

Somos nós o vento.

Um abraço

svasconcelos disse...

Tão bom reler José Gomes Ferreira... sempre!:))
Não traímos!

Um beijo,

Maria disse...

E não traiu!
E n~ós não vamos parar a tempestade!

Um beijo grande.

Olinda disse...

Extraordinário poeta militante,cujos poemas percorro vezes sem conta,e encontro sempre novas emoçoes.

Graciete Rietsch disse...

Não trairemos , nem a nossa ideologia,nem o nosso poeta.
Somos Povo e como Povo não pararemos a tempestade!!!!!

Um beijo.

Maria João Brito de Sousa disse...

Não trairemos!