DIZ - E DIZ BEM - A CGTP-IN

Os «parceiros sociais» da ugêtroika não se cansam de comemorar o «acordo».
Têm razão para isso.
Todos.
Em primeiro lugar, os patrões - que lograram vingar-se da Revolução de Abril e re-introduzir o trabalho escravo em Portugal (ou julgam isso, ou julgam isso...).

Em segundo lugar, o primeiro-ministro e os seus álvaros & gaspares, Lda - que, com as leis fascistas que se preparam para aprovar, acabam com direitos laborais de Abril e com a luta organizada dos trabalhadores (ou julgam isso, ou julgam isso...).

Em terceiro lugar, o lacaio Proença - que esgotou toda a saliva de que ainda dispunha a lamber as mãos do dono e, de rabinho a abanar, ouviu deste a ordem para que continue a desempenhar o papel de «dirigente sindical»...

Fora disto tudo, e contra tudo isto, ficou, como não podia deixar de ser, a CGTP-IN - a mostrar a diferença que há entre uma Central Sindical dos Trabalhadores - de classe, unitária, independente, democrática e de massas - e uma Coisa criada pelos cabecilhas da contra-revolução - com Mário Soares em lugar destacado - com o apoio da CIA e de vários outras secretas - com o objectivo, precisamente, de assinar «pactos sociais» ao sabor dos interesses do grande capital.


Dia 11 de Fevereiro, o encontro é no Terreiro do Paço: diz - e diz bem - a CGTP-IN.

7 comentários:

O Puma disse...

A procissão ainda vai no adro

mas vai chegar á rua

Resistir é preciso

Graciete Rietsch disse...

A contra revolução continua ativa, mas há quem lhe faça frente com coragem, convicção e luta.

Viva a CGTP.

Um beijo.

cid simoes disse...

os media abriram o canil e a matilha não larga os calcanhares da CGTP-IN.
Ainda terão muito que ladrar!

João Geraldes disse...

O Governo arreganhou a beiça deixando bem à vista os caninos afiados. Ao mesmo tento, rugiu ameaçador, violento, arrebatador. João Proença, o Proença da UGT, ‘acagaçou-se’ todo, borrou as calças, acocorou e vergou a coluna vertebral ao ponto de quase quebrar. Então, Proença abriu a boca, deitou a língua de fora esbaforido e aguardou … aguardou o torrão de açúcar, qual animalzinho amestrado de circo depois das peripécias para as quais é treinado, que o amestrador lhe quisesse dar. Não deu. Saiu apenas fel, do mais amargo. Não para ele João Proença, o da UGT. Mas para os Trabalhadores, para o Povo Português. Aí não vi nas estou certo: Proença, o da UGT, sorriu; a sua missão estava cumprida. Podem ler mais no Calcorreando ...

samuel disse...

Julgam mal...

Abraço.

Olinda disse...

Vamos lá estar todos,contra todas as medidas de agressao e regressao.

Maria disse...

Não há adjectivos para o acto nem para o verme.
Dia 11 encontramo-nos todos!

Um beijo grande.