POEMA

(Pátria-tédio, guerra colonial.
Fascismo. Tempo cadáver.)



Quero que o meu necrológio
seja assim, por exemplo:
aqui jaz quem nunca atrasou o relógio
para criar o tempo.


José Gomes Ferreira

4 comentários:

GR disse...

Este grito é novamente ouvido.

BJS,

GR

Graciete Rietsch disse...

Porque andou sempre à frente do seu tempo.

Um beijo.

Olinda disse...

Sempre extraordinário,o poeta militante.

Justine disse...

Genial!