OS LÍDERES SÃO ASSIM...

Eis, em resumo, a curta-metragem em exibição nos últimos dias, em sessões contínuas, nos média dominantes:
A Mesa Nacional do BE reuniu no sábado, dia 5.
Uns dias depois, o líder Francisco Louçã anunciou a apresentação, para 10 de Março, de uma moção de censura (não sem, antes, ter criticado severamente a hipótese de o PCP apresentar uma moção de censura à política de direita...)

Face a isto, pensámos - eu e os meus botões - que a anunciada moção correspondia a uma decisão da Mesa Nacional.
Puro engano: veio agora um bloquista dizer que a Mesa Nacional, nessa reunião do dia 5, não só não decidiu apresentar uma moção como decidiu não apresentar uma moção.
O mesmo bloquista considera que o anúncio da iniciativa é um acto de «oportunismo», tanto mais que, diz ele, a direcção do BE sabe que o PSD não a viabilizará (o que significa - isto dizemos eu e os meus botões - que, afinal, nas circunstâncias actuais, a referida moção serve essencialmente os interesses do Governo de Sócrates...)

Prosseguindo a reflexão, lembrámo-nos - eu e os meus botões - de outro anúncio público protagonizado pelo líder Louçã, também à revelia do órgão colectivo que é (devia ser...) a Mesa Nacional: o anúncio do apoio à candidatura de Manuel Alegre, a qual, como era previsível, viria a ser apoiada pelo partido do Governo...

E concluímos - eu e os meus botões - que este protagonismo do líder, esta repetida atitude de decidir sozinho e anunciar o que sozinho decidiu sem dar cavaco aos liderados, faz parte das normas de funcionamento do partido BE.

E concluímos, finalmente - eu e os meus botões - que são assim os partidos burgueses. Todos. Sem excepção.
Do centralismo democrático - que odeiam e combatem encarniçadamente - adoptam apenas e só o centralismo... e, à decisão democrática (tomada colectivamente e aplicada colectivamente), preferem a decisão tomada pelo todo poderoso líder - que, esse sim, é que sabe...

(no final desta reflexão colectiva, perguntei aos meus botões: já repararam que todos os governantes que, durante 30 anos, não se cansaram de apoiar os crimes do ditador Mubarak, não se cansam, agora, de festejar o derrubamento do seu ex-amigo do peito?
E eles, os meus botões, responderam: sabes bem que os líderes são assim...)

19 comentários:

Eduardo Miguel Pereira disse...

Louçã e Portas, tornaram-se nas eternas concubinas do poder em Portugal.
Quando o PSD é governo, é ver o Portas a saracotear-se e a oferecer-se para "ajudar".
Agora, nos últimos tempos, é Louçã que faz o mesmo em relação ao PS, mas com estratégia diferente, através duns falaciosos arrufos e ofensas em plena hemiciclo, que mais não são que verdadeiras peças de teatro mal ensaiadas.

Graciete Rietsch disse...

São todos uns oportunistas, a aproveitar todos os bocadinhos que vão surgindo, em defesa das suas próprias intenções.

Um beijo.

Anónimo disse...

"...não se cansaram de apoiar os crimes do ditador Mubarak"

Se tivessem sempre a chagar o Mubarak este já passava a ser herói da luta...lol...vê-se logo que só estão interessados em voces e na vossa ideologia ridicula.

samuel disse...

São bem vividos... os teus botões! :-)))

Abraço.

do Zambujal disse...

É isso mesmo... dizem também os meus botões quando lhes li este texto.

Um abraço

Bolota disse...

Tivesse eu uns botões assim…quanto ao BE e a moção, o problema nem está na moção mas sim, no antes e no depois.
Simplesmente vergonhosooooooooo e mais um exemplo que a novas
revoluções tem de ter em conta. As ditas esquerdas modernas.

vermelho vivo disse...

Os favores que esta pseudo-esquerda presta à direita...
E ainda lhe sobra tempo para encher a boca com "convergências" e "esquerda unida".

A curta metragem poderia perfeitamente ter o seguinte título:
Eles - os modernos, e a sua cegueira anti-comunista.

Um forte abraço amigo,

Zé Canhão disse...

A Esquerda Moderna marra no vermelho que se farta!

Afonso Gonçalves disse...

Ainda sobre os líderes e ditadores é preciso não esquecer a propaganda imperialista que a própria esquerda, por vezes, aceita e acredita. Quem não se lembra como foi tratado Sadam Hussein e como é tratado actualmente o próprio Presidente do Irão.
Mubarak só aparece aos olhos da opinião pública como um ditador detestado ao fim de trinta anos quando o povo nas ruas demonstrou sem margem para dúvidas o ódio acumulado sob essa feroz ditadura.

A Chispa ! disse...

Quando o BE passou a incluir o PSD como um objectivo da sua Moção, quando deste precisava para derrubar o governo, provou que afinal a moção não era contra o governo,mas antes para oxigenar.O mesmo se passará quando o PCP apresentar a sua.

O que está errado nas afirmações anteriores de F.Louçã,não é ele dizer,que as intenções do PCP em apresentar uma moção de censura ao governo "serviria os interesses da direita," mas sim ele depois proceder da mesma forma, ressalvando-a posteriormente de forma atabalhoada, quando inclui o PSD para salvar a face.

O oportunismo politico,tanto no BE, como no PCP em apresentar moções de censura ao governo, só acontecem pela necessidade constante que estes têm, em fazer o possivel por segurar a sua esféra de influência eleitoral e a mais atingida pelas politicas reaccionárias do governo,e neste caso a melhor forma para fazê-lo é mostrar a sua "radicalidade" às politicas do capital/governo, pela via da Moção de Censura.

A inútilidade de ambas as intenções no actual quadro parlamentar, com uma maioria de direita que suporta as politicas do governo,só as torna demagógicas e para "inglês" ver, como é hábito o povo dizer,quando não são acompanhadas por poderosas acções de massas em protesto, factor principal, imprescindivel,fundamental, para que se ponha essa politica capitalista em causa,que faça recuar o governo e até de derrotá-lo.

Qualquer atitude a tomar em relação ao governo e à sua ofensiva capitalista contra os direitos dos trabalhadores, que se basei e limite ao actual quadro parlamentar, que FUJA À LUTA DE RUA COMO SE PRETENDE, PARA NÃO FAZER MOÇA NO SISTEMA, mesmo que o governo caia, elas servem de facto a manutenção e a ofensiva da actual politica anti-social e anti-laboral,seja levada a cabo pelo PS sózinho ou PSD ou num quadro mais amplo e que inclua as três forças de direita,ou seja, o PS/PSD/CDS.

Quanto às atitudes e iniciativas caciquistas do pequeno burguês F.Louçã, elas são próprias da ideologia e da classe que de facto representa.

Um abraço
A Chispa!

Baleizao disse...

Chispa,

Tu que és um individuo carregado de teorias, é capaz de explicar ao pagode a duferença entre a moção do Louçã e a eleição de Paulo Portas, candidato unico á liderança do CDS???

Se fores capaz dou-te um doce.

Bolota disse...

Baleizao ou Bolota...

Maria disse...

Grande conversa e a grandes conclusões chegaram tu e os teus botões...

Um beijo grande.

GR disse...

Os teus botões aprendem quando conversas com eles e nós ficamos também a saber muito mais.

Bjs,

GR

joão l.henrique disse...

Os teus botões, são mestres avisados que não se deixam enganar.

Um abraço.

Anónimo disse...

Esses botões estão sintonizados no futuro. Um bom texto.

(Jorge)

Anónimo disse...

Caro amigo
Se não sabe deveria aprender com o samuel a fazer a selecção dos comentários. Digo isto porque eu percebo tão pouco de computador que não sou capaz de mandar mensagem a não ser como anónimo em bora escrevendo no fim
Vitor sarilhos

Bolota disse...

Amigo Sarilho,

Você é mesmo um sarilho...

Mesmo por cima onde clica anonimo, encontrasse: Nome/URL. se clicar aparecem dois campos que pode activar e vai ver que é giro

Um abraço

Já Agora, 25 de Abril Sempre

Fernando Samuel disse...

Eduardo Miguel Pereira: e a farsa vai continuar.
Um abraço.

Graciete Rietsch: oportunistas, enfim...
Um beijo.

samuel: são botões do povo de baixo, da arraia miúda...
Um abraço.

do Zambujal: quer isso dizer que os nossos botões estão de acordo...
Um abraço.

Bolota: é uma moção para reforçar o governo.
Um abraço.

vermelho vivo: o anti-comunismo é a razão de existir desta «esquerda revolucionária»...
Um abração, meu grande amigo.

Afonso Gonçalves: e mesmo assim Mubarak é elogiado pelos «bons serviços prestados ao Egipto»...

Zé Canhão: o vermelho irrita-os acima de tudo...
Um abraço.

Maria: quando se conversa muito, é possível concluir bem...
Um beijo grande.

GR: que eles aprendam muito...
Um beijo.

joão l.henrique: esperemos que não...
Um abraço.

Jorge: é bem possível...
Um abraço.