PROTEGER CIVIS É O QUE ESTÁ A DAR...

Na Líbia, os EUA, a Grã-Bretanha, a França, etc, prosseguem a sua «humanitária» tarefa de «proteger civis»...
Fazem-no como sabem: com aquele saber que adquiriram graças a uma vasta e longa experiência: bombardeando, destruindo, matando: matando civis...
E, como não podia deixar de ser, são entusiasticamente aplaudidos pelos média dominantes, que não se cansam de louvar a «humanitária» tarefa.

Todavia, a ânsia libertadora do imperialismo norte-americano não se esgota naquela região do mundo: os mil olhos do Império, inexoráveis, fixam todos os cantos e recantos do Planeta onde a «democracia, a liberdade e os direitos humanos» não são respeitados - e onde, portanto, se impõe a «protecção dos civis»...

Exemplos disso, temo-los todos os dias e aqui fica um.
«Derrubar Governos é Constitucional»: eis a curiosa designação adoptada por uma organização norte-americana que, patrocinada pelo Governo de Obama, tem como objectivo principal «deter a expansão dos fundamentos castro-comunistas que se instalaram em países como Bolívia, Equador, Nicarágua e Venezuela»...

A curiosa organização levou por diante recentemente, nos EUA, uma não menos curiosa iniciativa: um Fórum subordinado ao tema «Antídoto para o Socialismo do Século XXI» - no decorrer do qual vários «especialistas» na matéria opinaram sobre os caminhos para derrubar os governos daqueles quatro países.

Um dos oradores - naturalmente muito aplaudido - foi o hondurenho Micheletti - o tal que, em estreita colaboração com o Governo de Obama, concretizou o golpe que, em Junho de 2009, derrubou o presidente legítimo das Honduras, Manuel Zelaya, e instalou uma ditadura fascista.
Tratou-se, como é sabido, de um golpe cujo objectivo principal foi o de... «proteger civis», e que, de então para cá, não tem feito outra coisa, prendendo, torturando, matando civis - e assim os protegendo das ameaças do «Socialismo do Século XXI»...

Na sua intervenção, Micheletti deu e exemplo das Honduras como exemplo a seguir nos outros países, tanto mais que, garantiu, «derrubámos o governo de Zelaya utilizando a Constituição do país»...
E acrescentou: «Nós fizemos, nas Honduras, o que infelizmente ainda não pôde ser feito na Nicarágua, na Bolívia, no Equador, na Venezuela».

E nas Honduras a «protecção de civis» prossegue: a repressão sobre os professores em luta, provocou, no mês de Março, um morto, 40 feridos e mais de uma centena de detidos...

13 comentários:

Justine disse...

A indignação a ferver nas veias...

joão l.henrique disse...

«A protecção de civis» é sempre a senha para darem início à carnificina.

Um abraço.

Graciete Rietsch disse...

É revoltante este comportamento. Como é possível que o Mundo lhes dê crédito?
Razão têm esses Estados latino americanos referidos no blog em temer um ataque"constitucional armado dos amigos americanos do respectivo Povo"

Um beijo e muita revolta.

Maria disse...

... e uma raiva a crescer-nos nos dentes...

Um beijo grande.

Anónimo disse...

As mentiras de Obama fazem da sua imagem, dos seus gestos, da sua maneira de falar, um autêntico charlatão, promovido pela elite da estrutura de poder norte-americana.

A reportagem de José Rodrigues dos Santos no hospital de Benghazi foi também uma falha grave para os que pensaram nesta guerra, pois o dito repórter confidenciou não haver civis feridos no hospital. Apenas encontrou soldados rebeldes.

Então, pergunto eu, Kadaffi não teria sido culpado de uma autêntica razia, em Benghazi, contra civis? De certeza que teria havido feridos nessas supostas matanças.

(Jorge)

samuel disse...

Os canalhas já nem se dão ao incómodo de disfarçar.

Abraço.

Pedro disse...

Era bom que estas fossem um notícias para assinalar o dia das mentiras... Mas infelizmente parece mesmo que não são

Antuã disse...

E os embriagados pelo sangue jamais se satisfazem.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Inqualificável !
Depois, queixam-se e choram o 11 de Setembro.
Mas esquecem-se que foi também num 11 de Setembro que mataram Salvador Allende e deram o poder ao seu lacaio Pinochet.
E continuam e continuam e continuam ...

A Chispa ! disse...

O que também não se compreende é como as manifestações que se têm realizado em Portugal, não manifestarem qualquer APOIO e SOLIDARIEDADE com os povos Arabes e não exibirem qualquer palavra de ordem a denunciar a agressão imperialista.

Será que as lutas destes povos não se inserem na luta mais geral que o povo trabalhador português trava contra o capitalismo e as classes reaccionárias em Portugal?

Mas a solidariedade internacionalista só se expressa através de moções, para "inglês ver" e sacudir a "água do capote"?

Porque razão, sendo a NATO uma força de intervenção militar ao serviço da BANDITAGEM imperialista, estas manifestações promovidas pela CGTP não EXIGEM a saida de Portugal da Nato e o Fim Imediato da agressão militar imperialista da Libia?


Fernando Samuel
Ainda sobre o texto que comemora os 50 anos da eleição de A.Cunhal a S.Geral: Não acham que pela importância politica histórica e para um melhor conhecimento da obra de A.Cunhal, deviam responder ao comentário que a A Chispa! fez sobre o tema?

A Chispa!

GR disse...

Revolta, indignação...e assim vai o Mundo. Até quando?

Bjs,

GR

Anónimo disse...

O revisionismo contemporâneo transformou a ideologia revolucionária marxista-leninista num muro de lamentações pequeno-burguesas sobre as perversidades diabólicas da burguesia decadente e do imperialismo belicista que corresponde ao último recurso que tem para se impor historicamente. Por mais que se indignem oa "humanistas" da vossa praça e insultem os agentes das agressões com os mais diversos adjectivos, isso não altera nada o rumo dos acontecimentos. Entraram na luta pela via da moralidade, do que deve ser, e do que é inadmissível sem perceberem que se estão a amesquinhar perante o vilão.
Com este espírito vão concorrer às próximas eleições e os resultados já se advinham, e como diz o ditado popular, dos fracos não reza a história. Se lessem mais os marxistas clássicos e ouvissem menos as ladaínhas do C. da Silva e do J. de Sousa, vcs não se encontravam nesse triste estado.

Fernando Samuel disse...

Justine: tão grande é a hipocrisia criminosa.
Um beijo.

joão l.henrique: é a ordem de fogo!
Um abraço.

Graciete Rietsch: logo que o imperialismo julgue ter condições para isso, não hesitará...
Um beijo.

Maria: raiva grande e profunda...
Um beijo grande.

Jorge: à medida que o tempo passe, iremos tendo notícias sobre o que, de facto, ali se passou.
Um abraço.

samuel: são assassinos orgulhosos da obra feita...
Um abraço.

Pedro: estas são, infelizmente, notícias de todos os dias...
Um abraço.

Antuã: para eles, e para o seu objectivo de dominar o mundo, vale tudo.
Um abraço.

Eduardo Miguel Pereira: bem lembrado...
Um abraço.

GR: até darmos a volta a isto...
Um beijo.