EXTRAORDINÁRIOS SAFARDANAS

Afinal o safardana não foi ao Concelho (de Estado) de Arcos de Valdevez: mandou mensagem-vídeo a dizer que não podia: «Os médicos proibiram-me de viajar para Portugal».
Não há como os médicos para tomarem decisões acertadas...

Na mensagem, o safardana fez questão, ainda, de cumprimentar outro safardana:
«o velho amigo Mário Soares», com o qual diz ter «muitos temas para conversar».
Ó se têm!: a traição é um inesgotável tema de conversa...

Ao auditório chegou outra mensagem-vídeo, esta do Bush-pai- outro safardana - a dizer que considera o safardana homenageado como «uma das pessoas mais extraordinárias que eu já conheci na minha vida».
Trata-se de um elogio de monta, já que , no álbum de conhecimentos de Bush-pai, abundam as pessoas extraordinárias, vulgo safardanas - aliás, ele próprio é um fazedor de safardanas, ou não fosse ele o Bush-pai do Bush-filho...


Pronto: «Gorbachev não veio mas encheu as ruas de Arcos de Valdevez» - diz o DN.
E no mesmo DN, o politólogo de serviço Viriato Soromenho-Marques, vem ensinar-nos «o que devemos a Gorbachev».
E o que é que devemos ao safardana, que é, na preclara opinião do politólogo «um dos maiores estadistas de sempre»?...
Pois bem - ensina o politólogo politologando - devemos-lhe ter libertado «a humanidade do flagelo de uma guerra nuclear de aniquilação»!!!
Notável revelação, esta!
Mal sabia eu que a libertação da humanidade do flagelo de uma guerra nuclear de aniquilação passava por colocar toda a capacidade de aniquilação nas mãos da única potência que, até hoje, lançou bombas nucleares sobre populações!...

Não há dúvida: o mundo e os média estão cheios de safardanas: de extraordinários safardanas.

9 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Tão cheio de safardanas que só a força e coragem de alguns(bastantes)poderá fazer desaparecer. Não com bombas como os fazedores de guerras nucleares, mas com a luta e o empenhamento na construção de um Mundo Novo, dando muitas vezes a própria vida.

Um beijo.

Anónimo disse...

Chamá-los de safardanas é pouco, muito pouco.

samuel disse...

Só pela "descoberta" do Soromenho... já valeu a pena! :-)))

Abraço.

joão l.henrique disse...

Contra os safardanas; LUTAR,LUTAR!..

Um abraço.

Maria disse...

O safardana não veio, mas deu uma entrevista à rtp.
O safardana diz que foi feliz, no tempo de governação, até porque... tinha contribuído para o estabelecimento da democracia em vários países....
O safardana (este) continua vivo... mas já fede faz tempo!

Um beijo grande.

do Zambujal disse...

Grande texto.
E até percebo que tenhas usado safardana como vocábulo, quando a maioria de todos nós está a pensar nas mães dos ditos cujos, que, coitadas, nem todas merecerão aquilo que filhinhos justificam que elas sejam chamadas.
Embrulhei-me na prosa mas julgo que ficou claro o meu sentimento. Aliás, se há coisa que me perturbe é esse filho da p... (passo!) do Miguel ex-secretário geral do PCUS, que me acicata todas as defesas e me faz gritar por vigilância revolucionária e ligação às massas a todas as horas e circunstâncias.
E, depois, a outra escala, há sempre uns viriatos que soromenham-marquesmente com as suas cabecinhas privilegiadas cheias de hifens...
E fico-me por aqui.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Excelente texto, revestido duma notável clareza e absoluta coerência.

Justine disse...

Safardanas é muito suave! Eu chamo-lhes criminosos, que é o que de facto são!

Fernando Samuel disse...

Graciete Rietsch: o Mundo Novo que havemos de construir.
Um beijo.

Anónimo: é muito pouco, sem dúvida...
Um abraço.

samuel: ele há por aí cada soromenho...
Um abraço.

joão l.henrique: e temos muito que lutar.
Um abraço.

Maria: os safardanas, vivos ou mortos, fedem sempre...
Um beijo grande.

do zambujal: como não há nenhuma palavra que, por si só, define esta gentalha, optei pelo safardana...
(soromenhomarquesmente: boa!)
Um abraço.

Eduardo Miguel Pereira: um abraço... e bom regresso...