AINDA UM POEMA...

Ontem, ao final da tarde, recebi uma boa notícia.
Tão boa que me fez voltar aqui para, antes da anunciada pausa, a assinalar devidamente - e não há coisa melhor para o fazer do que um poema...
Aqui fica, então, para o Serioja, meu grande amigo, este belo poema que pedi emprestado ao Armindo Rodrigues e que nos fala da nossa longa espera... - e da certeza de um futuro em que os meninos de hoje, com vozes de alvorada, proclamarão o novo dia...
Porque «a vitória é difícil, mas é nossa».



A LONGA ESPERA

Até onde chegará a nossa
resistência?
Até onde
suportaremos nós,
homens de carne e osso,
a tortura inumana?
Até onde, pacientes,
metódicos,
secretos,
seremos capazes de levar
as nossas palavras
firmes e consoladoras?
Até onde ecoarão elas,
e em que ouvidos?
Até onde teremos de mascarar-nos,
de mentir,
de fingir?
Revolução
porque tardas?
Já escarva o chão,
pronto a investir,
o gigantesco toiro,
de baba espessa,
de olhos chispantes
e frementes músculos.
Já desabrocham cravos
no silêncio contido.
Já as ocultas labaredas
se preparam para desfraldar-se
resgatadoras,
ao vento solto.
Já as multidões,
com a sua ira,
quebram em estilhaços
o lavado cristal do dia atento.
Revolução,
porque tardas?
Desdobra, cotovia amável,
como um harmónio,
a tua alacridade,
sob o frio dos escombros.
Semeia, sol,
a luz e o calor fertilizadores
pelos campos lavrados.
Dai as mãos e anunciai,
trabalhadores de todo o mundo,
o grande recomeço.
Soldados,
quebrai com ímpeto
as vossas armas arrependidas
e pisai-as.
E tu, menino, proclama,
com a tua voz de alvorada,
para além dos teus desejos,
os teus sonhos realizados.


Armindo Rodrigues

DE CABEÇA LEVANTADA

A história que se segue foi-me enviada por um amigo - e completada por umas quantas buscas minhas na internet.
É a homenagem do Cravo de Abril à memória dos heróicos jogadores de futebol do Dínamo/FCStart, que souberam morrer de cabeça levantada enfrentando os criminosos nazis.


Nos ano de 1941, as hordas nazis invadiram a Ucrânia - então uma República da União Soviética.
O país, e de forma especial a cidade de Kiev - a capital - transformou-se num inferno de violência, repressão, perseguições, prisões, terror.
A dada altura, os alemães levaram para Kiev centenas de prisioneiros de guerra, que não estavam autorizados nem a viver nas casas nem a trabalhar, pelo que, doentes e desnutridos, vagueavam pelas ruas, na mais absoluta indigência.

Entre esses soldados estava Nikolai Trusevich, o outrora famoso guarda-redes daquela que era a mais popular de todas as equipas de futebol da época - o Dínamo de Kiev.
Aí o descobriu, um dia, um tal Josef Kordik, adepto fervoroso do Dínamo, dono de uma padaria e que, por ser alemão se movimentava relativamente à vontade na cidade ocupada.
Kordik, violando as leis dos ocupantes nazis, levou para a padaria o seu ídolo Trusevich, com o qual viria a firmar grande amizade e ao qual deu a tarefa de encontrar os seus antigos colegas de equipa.

Trusevich percorreu a cidade devastada dia e noite e foi descobrindo, um a um, os seus colegas do Dínamo. Na busca, encontrou ainda três futebolistas da equipa russa do Lokomotiv, que antes fora grande rival do Dínamo.
Daí a criarem uma equipa de futebol - sempre fortemente estimulados pelo padeiro Kordik - foi um passo .
Como o Dínamo tinha sido proibido pelos nazis, deram à nova equipa o nome de FC Start, que, em 7 de Junho, de 1942, realizou o seu primeiro jogo, precisamente com uma equipa formada por soldados alemães - o FC Start venceu por 7 a 2.
O segundo jogo foi com uma equipa da guarnição húngara e o FC Start venceu por 6 a 2.
O terceiro, com uma equipa romena e o resultado final foi 11 a 0...
E assim sucessivamente, até que as vitórias do FC Start começaram a irritar os ocupantes nazis, que, a 17 de Julho, enviaram uma equipa do exército alemão para esmagar a canalha... e o resultado foi 6 a 2 - vitória do FC Start, obviamente...
Entretanto, a equipa do FC Start tornara-se um caso sério de popularidade: as suas vitórias sobre equipas dos ocupantes ganhavam um significado político e os campos de futebol enchiam-se de entusiasmados adeptos do Dínamo disfarçado, que eram, ao mesmo tempo, patriotas e militantes anti-nazis.
Os alemães requisitaram, então uma equipa de muito maior qualidade - o MSG, da Hungria - para acabar com aquilo: no primeiro jogo, o FC Start venceu por 5 a 1 e no jogo de desforra exigido pelos vencidos, voltou a ganhar, desta vez por 3 a 2.

Foi então que os alemães decidiram arrumar de vez a questão. Uma equipa composta por membros da Luftwaffe - o Flakelf, que era uma forte equipa e, como tal, era utilizada como instrumento da propaganda hitleriana, foi chamada a pôr ponto final nas façanhas desportivas dos futebolistas do FC Start...
Ou seja: os nazis recorreram ao melhor que tinham para acabar de vez com a atrevida invencibilidade do FC Start e estavam certos de que era isso que iria acontecer.
Por isso, foi grande o seu espanto e maior ainda a sua raiva quando, no final do jogo, a equipa de Hitler saiu derrotada por um humilhante 5 a 1...

Era demais!
E, de Berlim chegou a ordem para acabar com todos eles, o padeiro Kordik incluído.
Todavia, os chefes nazis ocupantes não se contentaram com isso: não queriam que a última imagem de todo aquele processo fosse a da equipa invencível e que, ainda por cima, tinha derrotado a selecção de Hitler.
E decidiram que, antes de os fuzilar, iriam fazer o grande jogo - e que, perante os badamecos soviéticos iriam demonstrar a superioridade da raça ariana...

O jogo foi em 9 de Agosto de 1942, com o estádio Zenit cheio de uma multidão que aplaudia e incitava os jogadores do FC Start - e vaiava os alemães.
Antes do início do jogo, um oficial das SS foi à cabine e, em russo, informou que iria ser ele o árbitro da partida e que todos deviam respeitar as regras, a começar pela de fazer a saudação nazi...
Alinhadas as duas equipas no campo, os jogadores do Flakelf - de camisolas brancas e calções pretos - bateram os calcanhares, fizeram a saudação nazi e gritaram «Heil Hitler!», enquanto os do FC Start - de camisolas vermelhas e calções brancos - levaram as mãos ao peito e gritaram «Fitzculthura!» - expressão soviética que proclamava a cultura física.


Ao intervalo, apesar da absoluta e escandalosa parcialidade do árbitro, o FC Start vencia por 2 a 1... e um outro oficial das SS foi à cabine dizer como era e que pode resumir-se em meia dúzia de palavra: se ganharem o jogo serão todos mortos.

Os atletas do FC Start consideraram a situação, pesaram prós e contras, colocaram a hipótese de não reentrarem em campo para a segunda parte... mas pensaram nas suas famílias em grande parte assassinadas pelos nazis... pensaram nos crimes cometidos pelos ocupantes... e ouviam a multidão, nas bancadas do estádio, gritando por eles...
E decidiram ir jogar - com a consciência de que com tal opção estavam a condenar-se à morte.

Deram um baile de futebol aos nazis. A dada altura, o avançado Klimenko, fintou o guarda-redes alemão deixando-o caído no terreno e, com a baliza à mercê, num gesto de desprezo, de superioridade absoluta, deixou a bola na linha de golo e virou as costas ao guarda-redes - assim com quem diz não marcamos mais golos porque não queremos...
O FC Start ganhou por 5 a 3.
Os jogadores saíram do campo sob os aplausos vibrantes da multidão que enchia as bancadas - e, hoje, 70 anos passados, os possuidores dos bilhetes daquele jogo memorável, têm entrada livre no estádio do Dínamo de Kiev.

O primeiro a morrer, torturado em frente de todos os outros, foi o padeiro Kordik.
Klimenko, Kuzmenko e Trusevich (este com a camisola do FC Start vestida) foram brutalmente assassinados no campo de concentração de Siretz...
Os restantes foram torturados até à morte - à excepção de dois - Goncharenko e Sviridovski - que conseguiram fugir e sobreviver até à libertação de Kiev, pelo Exército Vermelho, em Novembro de 1943.

Um monumento erguido em Kiev, homenageia esses heróicos futebolistas e cidadãos soviéticos - e nele pode ler-se: «AOS JOGADORES QUE MORRERAM DE CABEÇA LEVANTADA ANTE O INVASOR NAZI».

----------------------------------------------------------------


Meus amigos:
A partir de hoje, vou fazer uma pausa - breve, espero - nestes encontros diários convosco.
Voltarei.
Talvez em Abril - com os Cravos...

E não esqueçam: dia 11, o encontro é no Terreiro de Paço.

Abraços.
Fernando Samuel

POEMA

MULHER-RESISTENTE

A Mariana Janeiro em nome de todas
as mulheres que lutaram contra o fascismo


Eram tantas as torturas...
O Chicote sobre a carne
que o corpo te inchava
inchava
pelas vergastas cortado

Eram dias sobre noites
em que os olhos te queimaram
em que as veias te romperam
e os ouvidos te rasgaram

Eram meses sobre meses
na cela

isolada

Torturas quantas sofreste
minha irmã
sempre calada

Que à polícia não se fala
nem que se morra
à pancada!


Maria Teresa Horta

SANTA E DA MISERICÓRDIA?

Eis uma história simples, banal, muito comum, com esta ou com configuração semelhante, nos dias que correm:

Catarina Fachadas é trabalhadora da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, onde teve, sempre, como avaliações ao seu trabalho um «muito bom».

Sempre... até ao dia em que foi eleita delegada sindical: aí, começaram as perseguições - perseguições «democráticas», obviamente, porque é numa «democracia» que vivemos... - que redobraram quando, tempos depois, foi eleita para a direcção do seu Sindicato: o CESP - CGTP-IN.
A partir daí, passou a ser uma «má trabalhadora»...
Má?:péssima, se faz favor, de tal modo que lhe foi movido um processo disciplinar com a acusação de «maus tratos a crianças».
A acusação era falsa?: falsíssima, mas isso que interessava?: Catarina era dirigente de um sindicato da CGTP- se fosse da UGT outro galo cantaria... - portanto era preciso correr com ela definitivamente e afastar a sua actividade sindical da pia instituição que é a Santa Casa da Misericórdia.

Catarina não se conformou com a injustiça: decidiu lutar pela verdade e pelos seus direitos, que são os direitos de todos os trabalhadores.
O caso foi para tribunal e a decisão chegou há duas semanas, com a absolvição de Catarina das acusações que lhe foram movidas.

De tudo isto, conclui a USL/CGTP - e conclui bem! - que «vale a pena lutar, vale a pena resistir, a luta e a não resignação é o caminho».

Quanto à Santa Casa da Misericórdia... se é assim com esse nome, olha o que seria se não fosse santa nem da misericórdia!!!...

POEMA

TESTAMENTO


Abre os olhos - o sol é teu.
Mergulha as mãos - a água é tua.
Deixo-te o sol, o mar o céu
que poisa no beiral da nossa rua.
E os trigais do dia que desponta
e as flores da terra que me cobre.
Toda a riqueza milenar, sem conta,
de mais um poeta pobre.

Deixo-te as palavras que não gritaram
estranguladas pelo nó do medo;
e as outras, fuziladas, que tombaram
nos pátios do degredo.
E os sonhos por abrir; hoje, no sono
dos séculos que chamaram eterno.
Toda a Primavera, todo o Outono,
das minhas árvores de Inverno.
E a luta que fundiu meu coração
num canto que sangrou certeza:
depois de mim virás, ó meu irmão!,
mais claro e mais limpo de tristeza.


Luís Veiga Leitão

LÍBIA

Durante meses, rádios, televisões e jornais de todo o mundo - como que obedecendo a uma orientação geral - fizeram da Líbia tema central dos seus noticiários.
Segundo esses média, Kadhafi - mau como as cobras... - reprimia e matava civis barbaramente, enquanto Obama - bom como um cordeirinho... - sofria com o sofrimento dos civis líbios...
E tanto sofreu o negro da Casa Branca que, às tantas, não suportando mais a dor, lembrou-se que era Prémio Nobel da Paz e pensou que era chegada a hora de salvar os civis das garras do tirano Kadhafi...
E se bem o pensou, melhor o fez: às suas ordens, vagas de aviões lançaram toneladas e toneladas de bombas sobre a Líbia, destruíram o país e - sempre salvando civis! - mataram milhares de civis, numa acção humanitária que só terminou quando os amigos de Obama assassinaram o malandro do Kadhafi, com requintes herdados dos nazis.
E pronto: a partir daí, os jornais, rádios e televisões de todo o mundo - como que obedecendo a uma orientação geral - deixaram de falar da Líbia - obviamente, depois de informarem abundantemente os seus utentes de que o país era, agora, dirigido por um grupo de «valentes rebeldes», todos com certidão de democratas passada por Obama e que, portanto, a Líbia era, finalmente, uma democracia modelar, com liberdade a dar com um pau e com os direitos humanos todos no seu devido lugar...

Não obstante este silêncio dos média dominantes, na Líbia continuam a morrer civis: uns, por efeito de conflitos armados ocorridos entre os «valentes rebeldes» sedentos de poder; outros, por efeito da repressão sobre civis que têm vindo a protestar um pouco por todo o país contra as brutais condições de vida que lhes estão a ser impostas- e que, na cidade de Benghazi, que foi, como sabemos, o «bastião dos rebeldes», envolveram muitos milhares de pessoas, muitas das quais assaltaram edifícios governamentais.
Sobre tudo isto, as televisões, rádios e jornais de todo o mundo - como que obedecendo a uma orientação geral - dizem pouco, ou quase nada, ou nada...
Também sobre eventuais preocupações com a morte de civis por parte de Obama, nada se sabe...

Entretanto, há dias, partidários de Kadhafi ocuparam a cidade de Bani Walid.
O que significa que não desistiram de lutar.
Ou que, como nós por cá dizemos, a luta continua.

POEMA

COM A NATUREZA APRENDE


Com a natureza aprende,
mas para a modificar.
O honrado não se vende.
Renega quem te pagar.
Não há acção sem matéria,
nem matéria sem acção,
nem inteligência séria
sem séria meditação.
Na variedade do mundo
reside a sua unidade.
Até de um poço profundo
pode nascer claridade.


Armindo Rodrigues

Apresentação do livro «Mineiros de Aljustrel» na Casa do Alentejo








(fotografias de João Galamba de Oliveira)

DIA 11: TERREIRO DO PAÇO

Guimarães nasceu, anteontem, capital europeia da cultura.
E como cultura é com eles, eles foram assistir ao parto: eles: o Presidente da República e o primeiro-ministro.

Ao que parece, antes das inevitáveis orações, combinaram que Coelho iria ter um gesto solidário com Cavaco e a reforma que não lhe dá para viver...
Coelho cumpriu o combinado: no discurso da praxe, na inevitável parte dedicada aos «sacrifícios», depois de ter insistido e insistido na tecla dos «sacrifícios que são para todos», solidarizou-se assim:
«O que eu quero dizer aos portugueses, a começar pelo Presidente da República e a acabar em qualquer cidadão, é que esses sacrifícios vão valer a pena».

Vemos assim confirmado o imenso drama que constituem para Cavaco, os sacrifícios que vai ter que fazer para (sobre)viver com uma mísera reforma de 10 mil brasas/mês - mais carro com motorista, casa, mesa e roupa lavada, etc, etc.
Ficámos também a saber que os sacrifícios para todos «vão valer a pena»...
O que é verdade: que o digam os banqueiros e restantes chefes dos grandes grupos económicos, cujas grandes fortunas vão crescer na proporção directa da miséria da imensa maioria dos portugueses...

Por isso, estavam cheios de razão os muitos vimaranenses que vaiaram o Cavaco - e os que, fazendo bem as contas, lhe gritaram:«Queres trocar a tua reforma pela minha?».
Que é como que diz: queres trocar os teus sacrifícios pelos meus?
Perguntas que lhe devem ser feitas em todo o lado onde vá - para que ele saiba que a malta está acordada.

A propósito: dia 11 de Fevereiro, o nosso encontro é no Terreiro do Paço.

POEMA

QUATRO QUADRAS DO ALEIXO
(Escritas hoje...)


Acho uma moral ruim
trazer o vulgo enganado:
mandarem fazer assim
e eles fazerem assado.

Sou um dos membros malditos
dessa falsa sociedade
que, baseada nos mitos,
pode roubar à vontade.

Não me dêem mais desgostos
porque sei raciocinar...
Só os burros estão dispostos
a sofrer sem protestar!

Esta mascarada enorme
com que o mundo nos aldraba,
dura enquanto o povo dorme,
quando ele acordar, acaba.


António Aleixo

ISTO ANDA TUDO LIGADO...

Volto, hoje, após uma longa pausa higiénica, àquele Alberto Gonçalves - lembram-se?, exactamente esse... - que todos os domingos despeja uma maré negra de reaccionarismo requentado numa página inteira do Diário de Notícias.
Hoje, como era mais do que expectável, o troglodita investiu contra a CGTP - e fê-lo naquele estilo que só não é original porque descende em linha recta das prosas outrora vertidas pelos seus saudosos antepassados no seu não menos saudoso Diário da Manhã.
Para dizer algo de novo?: não, de novo, o fascistão nada tem a dizer: repete-se e repete o que muitos dos seus colegas de ofício não se cansam de bolçar todos os dias.
E, repetição concluída, recebe o bago...Obviamente.

Escreveu ele, o cavernícola, que «não é estranho que a CGTP tenha abandonado o encontro da "concertação social" (...) porque «o único objectivo da CGTP em matéria de trabalho é conseguir que a maior quantidade possível de pessoas percam o seu» - e explica; «"Seu", das pessoas» - e ainda mais didáctico, desvenda, concluindo que «O trabalho deles, dirigentes sindicais, foi trocado há décadas por essa estranha forma de vida que consiste em prosperar à custa da desgraça alheia»...

Comentários para quê?
É óbvio que se a CGTP fosse o que o cavernoso Gonçalves diz que é, ela seria alvo dos mais rasgados elogios por parte do grande capital - e, portanto, todos os gonçalves do cadaveroso reyno da política de direita estariam, agora, obedientemente entregues à tarefa de tecer à CGTP os mais rasgados elogios...
Assim, resta-lhes a tarefa, que cumprem exemplarmente, de verter ódio - ódio de classe, pois claro - sobre aquela que é a grande, a verdadeira Central Sindical dos Trabalhadores Portugueses.

Enquanto lia o troglodita Gonçalves, veio-me à memória um excelente post publicado há dias no também excelente Cantigueiro, onde um dos personagens - por sinal um outro cavernícola: António Chora (sim, esse mesmo, o próprio...) - dizia, mais palavra menos palavra, o que o Gonçalves agora disse, a saber: que os sindicalistas comunistas fazem o que podem para que haja mais despedimentos, mais desemprego, mais fome...

Pois é: os bons espíritos encontram-se sempre:
Gonçalves/Chora - Chora/Gonçalves: Deus-Capital os fez, Capital-Deus os juntou...


A confirmar que, como muito bem dizia o Poeta, isto anda tudo ligado...

POEMA

MÃO DE OBRA


Os pobres trabalham cedo
cedo começam a vida
tudo neles é sempre cedo
até a fome e a desgraça
uma estrela concebida
com duas chagas de medo
abertas esponjosas fundas
no corpo magro e doído
do homem desde criança
condenado a ser vendido
pesado numa balança
por qualquer preço colhido
na engrenagem ou teia
de uma aranha gigantesca
que em ventres de lua cheia
ainda no sangue os pesca
os domina suga enreda
em meandros de uma trama
que cobre a cidade toda
esta cidade que acorda
na marmita de um rapaz
com doze anos apenas
e poucas horas de sono
caminhando para a luta
dos olhos do capataz
que faz as vezes de dono.
Esta cidade que acorda
molhada triste dormente
e em vez de algum bombom
no ventre daquele menino
(com doze anos apenas
e poucas horas de sono)
lhe amassa o pão numa açorda
que a própria fome da mãe
(a insónia do pão duro)
dá ao filho porque o dono
lhe marca bem o futuro
Que míseros escudos ganha
esta vítima da aranha.


João Apolinário

RUMO A BOLIQUEIME

Aqui para os meus lados, os contentores de lixo - particularmente os que se situam às portas das chamadas «grandes superfícies» - estão a ser assaltados por uma vaga de «clientes» - homens, mulheres, crianças... - que, muitas vezes, disputam acesamente entre si... o lixo que os belmiros & santos, Lda. caridosamente lhes proporcionam...

Trata-se, certamente, de pessoas sem trabalho, nem subsídio de desemprego, em muitos casos, porventura, sem qualquer pensão ou reforma - e que constituem produtos naturais nascidos da política de direita praticada há mais de 35 anos, em serviço combinado, pelo PS, o PSD e o CDS.

Trata-se também, muito provavelmente, de pessoas que integram aquele mais de meio milhão de portugueses que «vivem» de pensões abaixo dos 250 euros/mês (ou seja: cerca de 7 euros/dia...) - e que constituem outra imagem de marca dessa mesma política de direita.

E, pelo rumo que as coisas estão a tomar - e em consequência do «acordo social» perpetrado pela sinistra ugêtroika - é mais do que certo que o número dos «clientes» dos contentores do lixo dos belmiros & santos Lda. subirá vertiginosamente...


É neste cenário de tragédia social que o Presidente da República vem a público, num lamento plangente, queixar-se de que as reformas que recebe - 10 000 euros/mês - não lhe dão para viver...

Que dizer deste lamento?

Que com ele, Cavaco Silva mostra o que é?: Não, porque o que ele é, já nós sabíamos desde que o começámos a ouvir..
Que é inacreditável que Cavaco tenha dito o que disse?: Não, porque inacreditável seria ele não ter dito o que disse...
Que o «presidente de todos os portugueses» não deve falar assim?: Não, porque Cavaco é o presidente de meia dúzia de portugueses e, por isso mesmo, deve falar assim...
Que deve pedir desculpas do que disse aos portugueses?: não, pedir desculpas não.

Basta - para já - que enrole a trouxa, pegue na sua Maria e se faça à estrada rumo a Boliqueime (ou à praia da Galega...).

POEMA

O BICHO


Vi ontem um bicho
na imundície do pátio
catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
não examinava nem cheirava:
engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
não era um gato,
não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.


Manuel Bandeira

ENCONTRO COM ABRIL

Quem gosta muito do Álvaro da economia é o Luís Filipe Menezes.
E faz muito bem em gostar já que estão muitíssimo bem um para o outro...

Diz o Menezes que o trabalho do Álvaro é o máximo e que o recente «acordo social» é bem a prova disso.
É verdade, diz o Menezes, que a CGTP não assinou o «acordo», mas que importância tem isso? - e sublinha: «A CGTP nunca assinou um acordo em 35 anos»; e explica: «porque não é esse o seu papel».
Acertou, o Menezes: de facto, assinar acordos que se situam nos antípodas dos interesses dos trabalhadores não é o papel da CGTP - que existe, precisamente, para defender os interesses dos trabalhadores.
Esse é o papel - sujo, muito sujo - que está reservado à UGT - que existe para, travestida de fato de trabalho, defender os interesses dos seus donos.
E a verdade é que quer a CGTP quer a UGT desempenham cada uma o seu papel de forma exemplar.

Mas o que o Menezes mais aprecia nos tais «acordos» é o que eles significam em termos de defesa do «interesse nacional» - sendo certo que, para o Menezes, o «interesse nacional» não é o interesse dos trabalhadores, do povo e do País, mas sim o interesse do Belmiro, do Amorim, do Santos, do BES & Cia. Lda... (e por arrasto, dele, Menezes...)

Diz o Menezes, entusiasmado, que - ouçam bem, por favor - «foram os grandes acordos de concertação social que fizeram o país avançar nos últimos 35 anos, com governos diversos»!!!...


Pois é: nos últimos 35 anos, o país - sempre com «acordos» e sempre com governos PS/PSD/CDS - fartou-se de avançar...
Avançou, avançou, avançou... e chegou à luminosa situação de naufragado em que hoje se encontra.

Naufragado graças aos governos PS/PSD/CDS...
Naufragado graças aos «acordos de concertação social»...

Naufragado até que os trabalhadores e o povo o resgatem e o façam retomar os caminhos de Abril.

Dia 11 de Fevereiro, no Terreiro do Paço, com Abril que nos vamos encontrar.

POEMA

A COR DA LIBERDADE


Não hei-de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.

Eu não posso senão ser
desta terra em que nasci.
Embora ao mundo pertença
e sempre a verdade vença,
qual será ser livre aqui,
não hei-de morrer sem saber.

Trocaram tudo em maldade,
é quase um crime viver.
Mas, embora escondam tudo
e me queiram cego e mudo,
não hei-de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.


Jorge de Sena

ENCONTRO MARCADO

«Certidão de óbito da UGT»: assim classificou Torres Couto a assinatura, pelo Proença, do chamado «pacto social».
É de homem!...

Gostei de ouvir o Couto: já tinha saudades daquela voz solene e grave, ostentando um apego indefectível à defesa dos interesses dos trabalhadores e uma seriedade à prova de bala...

E lembrei-me de outras situações semelhantes ocorridas quando o Couto era o Proença de serviço...
Lembrei-me, especialmente, de um certo «pacote laboral» - um dos vários que, ao longo de todo o processo contra-revolucionário, antecederam o actual «pacto» - assinado pelos mesmos «parceiros sociais» de agora, apenas com personagens de nome diferente: em vez da parelha Passos/Proença a parelha Cavaco/Couto...
Nessa altura, o acto público da assinatura foi brindado com champanhe e a foto do Couto e do Cavaco - Tchim, tchim!, Tchim, tchim! - correu o País.
Eram outros tempos: não havia «crise» e o champanhe era bebido em público...

De resto, assinando tantos «acordos» e «pacotes» quantos o grande capital ordenou que fossem feitos e os sucessivos governos de política de direita fizeram, a os coutos e os proenças não fizeram mais do que cumprir a sua missão: procurar liquidar a CGTP-IN («quebrar a espinha à Intersindical»...) e espalhar a divisão dos trabalhadores e enfraquecer a sua luta organizada.
Para isso foi criada por quem foi criada a. por eles chamada, UGT: a troika da contra-revolução de Abril - PS, PSD e CDS - com o apoio dos milhões de contos enviados pela CIA & Cia...

Não conseguiram - nem conseguirão - alcançar os seus objectivos, mas lá que têm feito tudo o que era possível fazer, têm.

E insisto: dia 11 de Fevereiro temos encontro marcado no Terreiro do Paço.

POEMA

OFÍCIO DE TREVAS
(Poema XXIV)


É preciso que tragam a bandeira
É preciso que alguém vá até ao fim da noite
e desenterre a bandeira
Se já não tiver mãos
que rasgue a terra com os dentes
mas que traga a bandeira
Se já não tiver dentes
que afunde os olhos nessa terra
e lhe arranque a bandeira
que nela está sepulta
É preciso que os tambores anunciem a chegada da bandeira

Se não houver tambores
que os mortos se levantem
e façam rufar os ossos
em sol altíssimo à chegada da bandeira

Iluminem Iluminem Iluminem o caminho da bandeira
Se as nuvens de baionetas forem trevas no caminho da bandeira
que incendeiem a noite com as pedras da rua
mas que haja luz à passagem da bandeira
para que os olhos vazados vejam a bandeira
para que as bocas rasgadas cantem a bandeira
para que os ferros caiam à passagem da bandeira


Carlos Maria de Araújo

DIZ - E DIZ BEM - A CGTP-IN

Os «parceiros sociais» da ugêtroika não se cansam de comemorar o «acordo».
Têm razão para isso.
Todos.
Em primeiro lugar, os patrões - que lograram vingar-se da Revolução de Abril e re-introduzir o trabalho escravo em Portugal (ou julgam isso, ou julgam isso...).

Em segundo lugar, o primeiro-ministro e os seus álvaros & gaspares, Lda - que, com as leis fascistas que se preparam para aprovar, acabam com direitos laborais de Abril e com a luta organizada dos trabalhadores (ou julgam isso, ou julgam isso...).

Em terceiro lugar, o lacaio Proença - que esgotou toda a saliva de que ainda dispunha a lamber as mãos do dono e, de rabinho a abanar, ouviu deste a ordem para que continue a desempenhar o papel de «dirigente sindical»...

Fora disto tudo, e contra tudo isto, ficou, como não podia deixar de ser, a CGTP-IN - a mostrar a diferença que há entre uma Central Sindical dos Trabalhadores - de classe, unitária, independente, democrática e de massas - e uma Coisa criada pelos cabecilhas da contra-revolução - com Mário Soares em lugar destacado - com o apoio da CIA e de vários outras secretas - com o objectivo, precisamente, de assinar «pactos sociais» ao sabor dos interesses do grande capital.


Dia 11 de Fevereiro, o encontro é no Terreiro do Paço: diz - e diz bem - a CGTP-IN.

POEMA

ITINERÁRIO


Os milhares de anos que passaram viram
a nossa escravidão.

NÓS carregámos as pedras da pirâmides,
o chicote estalou,
abriu rios de sangue no nosso dorso.
NÓS empunhámos nas galés dos césares
os abomináveis remos
e o chicote estalou de novo na nossa pele.
A terra que há milhares de anos arroteámos
não é nossa
e só NÓS a fecundamos!
E quem abriu as artérias? quem rasgou os pés?
Quem sofreu as guerras? quem apodreceu ao abandono?

E quem cerrou os dentes, quem cerrou os dentes
e esperou?

Spartacus voltará: milhões de Spartacus!

Os anos que aí vêm hão-de ver
a nossa libertação.


Papiniano Carlos

A UGÊTROIKA

«Parceiros sociais chegam a acordo» - gritam, entusiasmados, os noticiários das rádios, televisões e jornais (que são, não o esqueçamos, propriedade do grande capital)
E todos acrescentam, eufóricos: «Caiu a meia-hora» - que não caiu coisa nenhuma, antes foi substituída, de forma agravada para os trabalhadores, por outras malfeitorias, todas conduzindo à implantação do trabalho escravo.
(aliás, como muito bem diz o Álvaro dos Pastéis de Nata, «o acordo vai bem mais longe do que estava estipulado pela troika»...)

«Parceiros sociais», quem são?: o grande capital - que é o grande beneficiado com o «acordo» - o governo - que existe para servir o grande capital - e a UGT - que foi criada e existe para servir os governos ao serviço do grande capital... - e que serve ainda, na circunstância, para que os noticiários das rádios, televisões e jornais (que são propriedade do grande capital) possam gritar, entusiasmados, que «parceiros sociais chegam a acordo»...

Depois da troika PS/PSD/CDS (de origem nacional) e da troika FMI/UE/BCE (de origem internacional), cai-nos agora em cima a troika Grande Capital/Governo/UGT - a UGÊTROIKA, chamemos-lhe assim - que, sendo o que é, é filha da pátria comum às duas primeiras: a pátria do grande capital.

Meus amigos: muito vamos ter que lutar para recambiar estas três troikas para a pátria que as pariu!
Mas não há outro caminho. E dia 11 de Fevereiro, lá estaremos no Terreiro do Paço.

POEMA

CERTEZA


Não nos responde o céu cinzento e opaco
nem o sorriso de pedra e impenetrável dos nichos...

- só nós sabemos porque vivemos num buraco
encurralados como bichos.


Sidónio Muralha

SÁBIAS PALAVRAS

Em princípios de Dezembro, George W. Bush - o criminoso responsável pela prisão, pela tortura, pela morte de centenas e centenas de milhares de pessoas - visitou três países africanos: Zâmbia, Tanzânia e Etiópia, a pretexto não sei de que negócios em que estará interessado.
Na altura a Amnistia Internacional (AI) divulgou um comunicado - que passou quase despercebido nos média dominantes - no qual apelava aos países visitados para prenderem e investigarem Bush pelas suas responsabilidades em actos de tortura - actos dos quais a AI afirmava «ter provas suficientes, provenientes de autoridades norte-americanas e do próprio George W. Bush».

É claro que nenhum dos referidos três países teve coragem para prender, investigar e julgar a besta - nem sei mesmo se deram alguma resposta à AI ou se preferiram assobiar para o ar...
Registe-se, a propósito, que dois meses antes - quando de uma visita de Bush ao Canadá, e perante semelhante apelo feito pela AI - o governo canadiano, bem amestrado que está, respondeu acusando a AI de «falência moral» e de «degeneração e politização» - certamente fazendo tais acusações enquanto se olhava ao espelho...

Todos sabemos que nenhum país concretizará o apelo da AI.
Em todo o caso, não deixa de ser significativo que uma associação como a AI - insuspeita de quaisquer ligações suspeitas (com comunistas, etc...) - tome uma atitude como esta, a qual, na situação actual, é prova de grande coragem.
Tal como o são as sábias palavras contidas no alerta geral lançado por Matt Pollard, conselheiro jurídico da AI:

«Todos os países para os quais George W. Bush viaja têm a obrigação de o apresentar à justiça pelo seu papel em actos de tortura».

Posto isto, uma coisas é certa: um dia - não sei quando, mas um dia! - o facínora Bush - vivo ou morto - será apresentado à justiça, julgado e condenado pelos crimes que cometeu.

POEMA

NÃO PASSAM MAIS


Em nome dos nossos braços
em nome das nossas mãos
em nome de quantos passos
deram os nossos irmãos.
Em nome das ferramentas
que nos magoaram os dedos
das torturas das tormentas
das sevícias dos degredos.
Em nome daquele nome
que herdámos dos nossos pais
em nome da sua fome
dizemos: não passam mais!

E em nome dos milénios
de prisão adicionada
em nome de tantos génios
com a voz amordaçada
em nome dos camponeses
com a terra confiscada
em nome dos Portugueses
com a carne estilhaçada
em nome daqueles nomes
escarrados nos tribunais
dizemos que há outros nomes
que não passam nunca mais!

Em nome do que nós temos
em nome do que nós fomos
revolução que fizemos
democracia que somos
em nome da unidade
linda flor da classe operária
em nome da liberdade
flor imensa e proletária
em nome desta vontade
de sermos todos iguais
vamos dizer a verdade
dizendo: não passam mais!

Em nome de quantos corpos
nossos filhos foram feitos.
Em nome de quantos mortos
vivem nos nossos direitos.
Em nome de quantos vivos
dão mais vida à nossa voz
não mais seremos cativos.
O trabalho somos nós.

Por isso tornos enxadas
canetas frezas dedais
são as nossas barrricadas
que dizem: não passam mais!

E em nome das conquistas
vindas nos ventos de Abril
reforma agrária controlo
operário no meio fabril
empresas que são do Estado
porque o seu dono é o povo
em nome de lado a lado
termos feito um país novo.
Em nome da nossa frente
e dos nossos ideais
diante de toda a gente
dizemos: não passam mais!

Em nome do que passámos
não deixaremos passar
o patrão que ultrapassámos
e que nos quer trespassar.
E por onde a gente passa
nós passamos a palavra:
Cada rua cada praça
é o chão que o povo lavra.
Passaremos adiante
com passo firme e seguro.
O passado é já bastante
vamos passar ao futuro.


José Carlos Ary dos Santos

PARA O LIXO, JÁ!

«Este é o Governo mais corajoso desde que se iniciou a democracia em Portugal»: diz - embevecido, com olhos gratos fitos no Passos, no Portas, no Álvaro, no Gaspar... - um tal José Maria Ricciardi, presidente do BES Investimento.
E, embalado, o banqueiro acrescenta que o seu (dele) Governo «está a implementar reformas com a preocupação, que eu espero que continue, de que sejam equitativas».
E explica, didáctico: equitativas «no sentido de que aqueles que mais podem contribuam mais do que aqueles que não podem ou pouco podem».

Assim, ficamos a saber, pela voz do banqueiro, que:
1 - este é o melhor Governo depois do 25 de Abril; e
2 - que as medidas por ele tomadas são «equitativas», ou seja, tanto tocam à Banca como a quem trabalha...

Perante tais afirmações, se eu fosse director de uma agência de rating, mandava esta cambada toda para o lixo. Já!

POEMA

NÃO PASSARÃO


Não desesperes, Mãe!
O último triunfo é interdito
aos heróis que o não são.
Lembra-te do teu grito:
Não passarão!

Não passarão!
Só mesmo se parasse o coração
que te bate no peito.
Só mesmo se pudesse haver sentido
entre o sangue vertido
e o sonho desfeito.

Só mesmo se a raiz bebesse em lodo
de traição e de crime.
Só mesmo se não fosse o mundo todo
que na tua tragédia se redime.

Não passarão!
Arde a seara, mas dum simples grão
nasce o trigo de novo.
Morrem filhos e filhas da nação.
Não morre um Povo!

Não passarão!
Seja qual for a fúria da agressão,
as forças que te querem jugular
não poderão passar
sobre a dor infinita desse não
que a terra inteira ouviu
e repetiu:
Não passarão!


Miguel Torga

CONVITE

CONVITE

HÁ «INDIGNADOS» EM CUBA?

Palavras do Embaixador de Cuba em Portugal, Eduardo González Lerner:

Perguntam-me se em Cuba há muitos «indignados».
Há. Em Cuba há milhões de indignados.
Milhões de indignados com o embargo que o imperialismo norte-americano impõe há mais de meio século.
Milhões de indignados com o facto de cinco cidadãos cubanos estarem injustamente presos nos cárceres do império há mais de treze anos.
Milhões de indignados com o capitalismo opressor e explorador que domina quase todo o mundo.
Sim, em Cuba há milhões de indignados.

Sem comentários.

POEMA

REBENTO


Do chão tão injustamente
abandonado, um rebento
de repente rompe, verde e tenro.

Brotou talvez de uma semente, por acaso
trazida na sola de um sapato
de algum trabalhador que por ali passou.

E assim verde e tenro, de repente,
do chão rompido, contra a injustiça
do abandono, este rebento isolado
é uma acusação e uma promessa.


Armindo Rodrigues

QUEREM AJUDAR-ME?...

Enquanto avança impetuosa a vaga de distribuição de tachos por boys do PSD e do CDS - tachos que, nuns casos, foram outrora dos boys do PS e, noutros casos, são novinhos em folha, nascidos de parto natural da política de direita na sua versão actual;

Enquanto o Jardim, grotesco e boçal, ameaça tudo e todos com a crise política e com o separatismo - para ver se consegue, uma vez mais, o que até aqui tem conseguido dos governos seus familiares, ou seja todos os governos do PS e do PSD;

Enquanto a Manuela, intima todos os doentes que não têm dinheiro a irem morrer longe - transformando o SNS numa morgue de dimensão nacional;

Enquanto o Álvaro, nata da economia, diz que a salvação da pátria está na exportação de Portugal - e fornece, como exemplo maior do que diz, a exportação de pastéis de nata para todo o mundo;

Enquanto o Passos corta o passo ao País e corta o emprego, o salário, o subsídio, o pão, a luz, a água e a saúde aos portugueses - e lhes diz para terem esperança;

Enquanto tudo isto - e muito mais - acontece, dizem-me que Mário Soares esteve ontem uma hora na televisão a falar de si próprio como só ele sabe e a falar dos comunistas como o Carlucci da CIA, seu senhor e amo, lhe ensinou - assim desviando as atenções da «crise» e, especialmente, das causas e dos causadores dela...

E enquanto olho para todos estes enquantos, coloco a mim próprio o desafio de descobrir
que diferenças há entre toda esta gente: os tachistas e os que lhes dão os tachos; o Jardim; a Manuela; o Álvaro; o Passos e o Soares...

Querem ajudar-me a encontrar as diferenças?

POEMA

A HISTÓRIA DA MORAL


Você tem-me cavalgado,
seu safado!
Você tem-me cavalgado,
mas nem por isso me pôs
a pensar como você.

Que uma coisa pensa o cavalo;
outra quem está a montá-lo.


Alexandre O'Neill

CONTINUANDO

Continuando:

O Conselho Geral e de Supervisão da EDP, composto por 16 governantes bem governados da política de direita, reúne sete vezes por ano.
Se não reunisse vez nenhuma, não havia problema: para os lucros fabulosos da EDP basta que um qualquer Mexia decida aumentar as tarifas da electricidade - coisa que não exige nem reuniões nem outras considerações: aumenta-se e o paga...
Então para que é que os 16 figurões reúnem?
Simples: porque as reuniões lhes são pagas - e bem pagas, já que cada uma das sete realizadas durante o ano custa à EDP nada mais nada menos do que 205 mil euros - quantia que corresponde, mais coisa menos coisa, a 37 anos de trabalho de um trabalhador com salário mínimo Isto se, entretanto, o trabalhador não ficar no desemprego e sem subsídio...
Mas não há problema: como os governantes e afins não se cansam de nos dizer, «a crise toca a todos»...

Continuando:

Diz o Gaspar das Finanças que não serão necessárias mais medidas de austeridade.
Diz o Costa do BP que serão necessárias mais medidas de austeridade.
Diz o leitor anónimo, expectante: Afinal em que ficamos?
Digo eu: com este diz-que-diz estão ambos a lixar-nos. Cada um à sua maneira e os dois à maneira... deles.


Continuando:

A CGTP convocou para o dia 11 de Fevereiro uma manifestação nacional - contra esta cambada que nos rouba todos os dias e se enche com o que nos rouba.
Eu vou lá estar.

POEMA

(DIZE TU, DIREI EU)


Dize tu: já começou, porém,
a racionalização do trabalho.

Direi eu: Todavia,
o manguito será
por muito tempo
o mais económico dos gestos.


Alexandre O'Neill

FRASES...

Frases na moda: «Racionalizar o trabalho», «democratizar a economia», «reformar as estruturas», etc, etc. - todas a puxar à modernidade...
Frases bonitas, todas, todas direccionadas para alvos cirurgicamente definidos, todas com o seu significado próprio: facilitar e embaratecer o desemprego; acabar com a contratação colectiva; aumentar o horário de trabalho; roubar nos salários e nos subsídios - ou seja: «racionalizar o trabalho» - vender ao grande capital nacional e estrangeiro, ao preço da uva mijona, o que resta de rentável no sector empresarial do Estado - ou seja: «democratizar a economia»...

Frases ornamentadas com outras frases, estas a puxar ao coração: «o tempo é de sacrifícios para todos», «é preciso sermos corajosos e encarar de frente a situação», «os portugueses são maiores que Portugal», «viva Portugal»...

Entretanto, a «democratização da economia» continua: o desemprego aumenta; o número da trabalhadores com salários em atraso dispara; os combustíveis atingiram o preço mais elevado de sempre; os transportes aumentarão para a semana; a destruição da legislação laboral está quase concertada; na Madeira, os doentes deixaram de ter comparticipação na compra dos medicamentos...

Mas não há problema: «os portugueses são maiores que Portugal»...

Olhem o Catroga: vai para a EDP, em cuja privatização colaborou activamente, a ganhar 639 mil euros/ano. Por isso diz, cheio de razão: «Considero que sou um candidato natural para a EDP»... é de homem! é de português!...
E com o Catroga vão vários ex-ministros e ex-secretários de Estado do Cavaco e do Barroso... - os omnipresentes Paulo Teixeira Pinto, Ilídio Pinho, Jorge Braga de Macedo, Celeste Cardona... - estes ganhando «apenas» 55 mil euros/ano.
E, no topo da «estrutura reformada», lá está o genial Mexia, de pedra e cal e euros: em 2010 recebeu 1, 1 milhões...

«Maiores do que Portugal», estes portugueses?: muito, muito maiores!...

POEMA

POEMA POUCO ORIGINAL DO MEDO


O medo vai ter tudo
pernas
ambulâncias
e o luxo blindado
de alguns automóveis

Vai ter olhos onde ninguém o veja
mãozinhas cautelosas
enredos quase inocentes
ouvidos não só nas paredes
mas também no chão
no tecto
no murmúrio dos esgotos
e talvez até (cautela!)
ouvidos nos teus ouvidos

O medo vai ter tudo
fantasmas na ópera
sessões contínuas de espiritismo
milagres
cortejos
frases corajosas
meninas exemplares
seguras casas de penhor
maliciosas casas de passe
conferências várias
congressos muitos
óptimos empregos
poemas originais
e poemas como este
projectos altamente porcos
heróis
(o medo vai ter heróis!)
costureiras reais e irreais
operários
(assim assim)
escriturários
(muitos)
intelectuais
(o que se sabe)
a tua voz talvez
talvez a minha
com certeza a deles

Vai ter capitais
países
suspeitas como toda a gente
muitíssimos amigos
beijos
namorados esverdeados
amante silenciosos
ardentes
e angustiados

Ah o medo vai ter tudo
tudo
(Penso no que o medo vai ter
e tenho medo
que é justamente
o que o medo quer)

O medo vai ter tudo
quase tudo
e cada um por seu caminho
havemos todos de chegar
quase todos
a ratos
sim,
a ratos


Alexandre O'Neill

DIREITOS HUMANOS

É sabido que os média dominantes informam e opinam sempre de acordo com a voz do dono - e têm os seus alvos preferenciais, num sentido e noutro.
Assim, por exemplo, dos EUA, esses média dão-nos sistematicamente uma imagem super favorável, enquanto, por exemplo, em relação a Cuba fazem exactamente o oposto.
Para isso ocultam notícias, falsificam notícias, manipulam notícias, inventam notícias...
De tal forma que os milhões de cidadãos que têm como único acesso à informação os média do grande capital (a imensa maioria das televisões, rádios, jornais...) ficarão a «saber» que os EUA são o país do respeito máximo pelos direitos humanos e Cuba o país onde esses direitos são brutalmente violados todos os dias...
Eis duas notícias ocultadas pelos média dominantes (que, no entanto, se fartaram, todos, de fazer «balanços» do anos que passou...:

Em 2011, os EUA registaram uma taxa de mortalidade infantil de 7 - além de que, no país de Obama, mais de sete milhões de crianças carecem de cobertura sanitária.

Em 2011, Cuba registou a mais baixa taxa de mortalidade infantil do continente americano (a par da do Canadá) - 4, 9 - e tem uma política sanitária que garante a equidade no acesso aos serviços assistenciais recebidos pela mãe e pela criança.


Estes são os factos - a lembrar-nos, entre muitas outras coisas, que o direito à informação é também um direito humano...

POEMA

É PRECISO AVISAR TODA A GENTE


É preciso avisar toda a gente,
dar notícia informar prevenir
que por cada flor estrangulada
há milhões de sementes a florir.

É preciso avisar toda a gente
segredar a palavra e a senha
engrossando a verdade corrente
duma força que nada detenha.

É preciso avisar toda a gente
que há fogo no meio da floresta
e que os mortos apontam em frente
o caminho da esperança que resta.

É preciso avisar toda a gente
transmitindo este morse de dores.
É preciso imperioso e urgente
mais flores mais flores mais flores.


João Apolinário

O BOM TOM...

Passos Coelho não gostou que Jerónimo de Sousa tivesse utilizado a palavra «roubo» para designar o roubo monstruoso, perpetrado pelo governo, nos salários e nos subsídios dos trabalhadores.

Curiosamente, Passos Coelho não diz que não se trata de um roubo: diz é que a palavra «roubo» não deve ser utilizada... talvez por não ser de bom tom...

Por isso, sugiro a Jerónimo de Sousa que, de futuro, passe a dizer: os impolutos cavalheiros que ocupam o governo não roubam: são tão somente miseráveis gatunos que se apropriam, à força, dos salários e dos subsídios dos trabalhadores.


Assim, fica o bom tom salvaguardado...

POEMA

POEMA DO FECHO ÉCLAIR


Filipe II tinha um colar de oiro,
tinha um colar de oiro com pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de coiro,
com fivela de oiro
olho de perdiz.

Comia num prato
de prata lavrada
girafa trufada
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha,
de cristal da rocha
do mais transparente.

Andava nas salas
forradas de Arrás,
com panos por cima,
pela frente e por trás.
Tapetes flamengos,
combates de galos,
alões e podengos,
falcões e cavalos.

Dormia na cama
de prata maciça
com dossel de lhama
de franja roliça.

Na mesa do canto,
vermelho damasco,
e a tíbia de um santo
guardava num frasco.

Foi dono da Terra,
foi senhor do Mundo,
nada lhe faltava,
Filipe Segundo.

Tinha outro e prata,
pedras nunca vistas,
safiras, topázios,
rubis, ametistas.
Tinha tudo, tudo,
sem peso nem conta,
bragas de veludo,
peliças de lontra.
Um homem tão grande
tem tudo o que quer.

O que ele não tinha
era um fecho éclair.


António Gedeão

POEMA

ACERCA DA VIDA


A vida não é uma brincadeira,
deves tomá-la a sério,
como faz, por exemplo, o esquilo,
sem nada esperar
nem fora nem para além da vida.
Quer dizer: a tua única preocupação será viver.

A vida não é uma brincadeira,
deves tomá-la a sério
e a tal ponto a sério
que de mãos atadas, por exemplo, de costas para a parede,
ou num laboratório
de bata branca e óculos enormes,
morrerás para que os homens vivam,
os homens a quem nem sequer viste a cara.
Morrerás sabendo
que nada é mais belo, nada é mais verdadeiro do que a vida.

Deves tomá-la a sério
e a tal ponto a sério
que aos setenta anos, por exemplo, plantarás oliveiras,
não para herança dos teus filhos, não,
mas porque não acreditarás na morte,
temendo-a embora,
mas porque a vida pesará mais na balança.


Nazim Hikmet

UMA QUESTÃO DE CIFRÕES

A decisão do Santos do Pingo de vender o seu Pingo a um pingo seu - este radicado na Holanda, onde o fisco é mais barato - provocou uma vaga de protestos e críticas, em muitos casos pondo o dedo mesmo no centro da ferida.

A coisa ganhou tal dimensão que os politólogo$, analista$ & comentadore$ de serviço como que impulsionados por uma mola comum, saltaram a defender o don$.
(foi o tal reflexo condicionado dos cãezinhos do Pavlov que mal ouviam tocar a campainha, de imediato começavam a salivar...)

E aí estão eles, em todos os jornais - do Público ao i - repetindo-se na defesa acalorada do Santos do Pingo, tecendo-lhe caninos elogios e lambuzando-lhe as mãos com lambidelas viscosas (que são, sublinhe-se, elogios e lambidelas extensivos a todos os santos, belmiros, amorins & etc do reino...) -
E, é claro, atirando-se ferozmente às canelas de todos os que, cometendo um crime de lesa-pátria, puseram em causa o abnegado patriotismo do magnata que é 2º no ranking dos mais ricos.
Aliás, patriota atestado por duas grã cruzes dadas por dois PR (Sampaio e Cavaco) e 2º mais rico no país em que mais de um milhão ganha menos de 7 euros/dia, mais de dois milhões estão na pobreza, etc. etc. etc...

E estou em crer que a louvação canina está para durar... ela durará o tempo necessário para transformar em opinião pública a opinião muitas vezes publicada dos politólogo$, analista$ e comentadore$ de serviço...

Porque é tudo uma questão de cifrões...

POEMA

NÃO TRAIO
(boca cerrada de raiva)


Não traio.
Porque insistes?
Não traio.

Desde criança que meu Pai me ensinou
não haver tempestade
na terra ou nos céus
que não traga
a praga
de um falso herói
salvador da Cidade.
Ou a esperança de um semideus
com um raio
na Mão
que tudo destrói
para pintar depois o sol e o Chão
de outra realidade.
Mas nunca encontrarás traidores
entre os que sempre como eu sonhámos combustões
de novas flores
com pétalas de asas de liberdade
que só nascem e crescem regadas pelos gritos e lágrimas
das multidões.

Povo, continua! Não páres a tua tempestade.


José Gomes Ferreira

A PRENDA DE OBAMA

Enquanto os norte-americanos festejavam a passagem do ano - 1 milhão e meio dos quais, certamente exibindo perante os familiares a sua destreza no manejo das armas recebidas como prendas de Natal... - Obama, ofereceu aos seus concidadãos uma prenda de Ano Novo da mesma família...
Precisamente no dia 31 de Dezembro, o Presidente dos EUA , Barack Obama, aprovou uma coisa chamada «Lei de Autorização e Segurança Nacional».

Trata-se de uma lei muito, muito semelhante às existentes em Portugal durante o regime fascista, isto é: a partir de agora, no país de Obama, qualquer cidadão considerado suspeito pode ser preso por tempo indeterminado, sem qualquer juízo prévio, e sujeito aos respectivos interrogatórios, com a respectiva tortura, etc., etc.

Mas, naturalmente, sempre com o maior respeito pela democracia, pela liberdade e pelos direitos humanos...

Que grande prenda, esta lei!
E que grande democrata, este Obama!

POEMA

RETRATO DE UMA PRINCESA DESCONHECIDA


Para que ela tivesse um pescoço tão fino
Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule
Para que os seus olhos fossem tão frontais e limpos
Para que a sua espinha fosse tão direita
e ela usasse a cabeça tão erguida
com uma tão simples claridade sobre a testa
Foram necessárias sucessivas gerações de escravos
de corpo dobrado e grossas mãos pacientes
servindo sucessivas gerações de príncipes
ainda um pouco toscos e grosseiros
ávidos cruéis e fraudulentos

Foi imenso desperdiçar de gente
para que ela fosse aquela perfeição
solitária exilada e sem destino


Sophia de Mello Breyner Andresen

UM CERTO «ESPÍRITO DE NATAL»...

Natal quer dizer, entre muitas outras coisas, prendas...
Prendas que a tradição manda que ofereçamos aos nossos familiares, aos nossos amigos...
Prendas: brinquedos, livros, discos, roupas...

Há países, contudo, onde as coisas funcionam de outro modo.
Por exemplo: nos EUA.
Ali, ao que parece a prenda de Natal mais desejada e mais oferecida é uma arma - arma de fogo, obviamente, daquelas que matam e das quais todos os dias nos chegam notícias...
Pronto, o que é que se há-de fazer, é assim o «espírito de Natal» lá para aquelas bandas...


E foi imbuídos desse curioso «espírito de Natal» que, no mês de Dezembro passado - e especialmente nos seis dias anteriores ao dia de Natal -, os norte-americanos compraram para oferecer (aos seus filhos, aos seus amigos...) nada mais nada menos do que 1, 5 milhões de armas de fogo.
Com este número, bateram todos os recordes até então estabelecidos - e sabemos bem como os norte-americanos se pelam por bater recordes...

Em muitos casos, os pais levam os filhos à loja para escolherem a arma que preferem.


Ali, disparando para um alvo que representa um corpo humano com o coração bem destacado, os adolescentes experimentam várias armas até escolherem a que mais lhes agrada - que é, regra geral, aquela que, atingindo o coração do alvo, dele faz saltar uma pasta vermelha, vermelha, que até parece sangue...

Não sei se, na noite de Natal, depois da troca de prendas, cantam em coro: «É Natal, é Natal, viva a terra em paz...», mas é bem provável que o façam.
O «espírito de Natal» tem destas coisas...